Home  >  Carreira

Saiba onde estão os empregos em TI

Conheça quem são as empresas que estão contratando e quais as vagas oferecidas.

Andrea Giardino

28/08/2009 às 8h14

Foto:

É consenso entre especialistas em recrutamento que a área de tecnologia da informação no Brasil tem sido a menos afetada com a crise mundial. Enquanto parte da indústria ainda demite e o setor financeiro tenta se recuperar do grande tombo, as empresas de TI continuam contratando a todo vapor.

De acordo com levantamento feito pela Computerworld entre as empresas entrevistadas, há quase de 1,5 mil oportunidades abertas, a maioria em São Paulo. Mesmo com o congelamento ou adiamento de projetos, sobram ainda muitas vagas no mercado, que ainda é refém do “gap” de profissionais qualificados.

Dados da Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) mostram que o déficit de mão de obra chega a 100 mil pessoas. Ou seja, enquanto o número de vagas oferecidas pelas companhias em 2008 cresceu 6,5%, a oferta de profissionais não ultrapassou a casa dos 4%.

“Diferente de outros mercados, TI não só assistiu de longe a crise passar como vem ajudando as organizações nesse novo cenário econômico a melhorar processos e reduzir custos”, afirma o diretor da Brasscom, Sérgio Sgobbi.

Tanto que o executivo aponta para uma dinâmica forte de contratações nos últimos dois meses, impulsionada também pelo aumento do volume de exportação de software e serviços, estimado em 2 bilhões de dólares em 2009. 

Segundo o gerente da divisão de tecnologia da empresa de seleção de executivos Michael Page, Ricardo Basaglia, os empregos concentram-se nas consultorias e na própria indústria de TI que luta para driblar a falta de gente com boa formação e experiência.

“Entre as posições de maior demanda estão a de desenvolvedor em linguagem Java, a de especialistas em sistema de gestão SAP, a de administradores de banco de dados e a de gerentes de projetos”, diz.

Quem divide a mesma opinião é o consultor da empresa de recrutamento Robert Half, Robert Andrade. “A grande procura tem sido por especialistas em sistemas integrados (SAP, Datasul e Microsiga) e desenvolvedores nas linguagens de programação Java e .Net”, destaca. 

De olho na enorme demanda do mercado de sistemas de gestão, o paulistano Roberto Taveira Junior, 46 anos, decidiu enveredar na área de ERP há três anos. Participou de vários projetos de implantação, de vários fabricantes – como Baan, Datasul e SAP - até que em junho passado deu um novo salto.

Deixou a indústria para seguir carreira no ramo de consultoria. Aceitou o convite da Tata Consulting Services (TCS), braço de tecnologia da indiana Tata, para assumir o cargo de gerente de projetos SAP.

“Crise, que crise?”, questiona Taveira Junior ao afirmar que oportunidades continuam aparecendo. “Os especialistas em ERP são muito disputados porque não tem gente suficiente par atender à quantidade de projetos que surgem”, diz.  Quadro que acaba refletindo em salários bastante competitivos, segundo afirma, já que esses profissionais estão bastante valorizados.  

Com uma vasta experiência em TI adquirida ao longo de uma trajetória profissional de 25 anos, Taveira confessa que nunca teve problemas em encontrar emprego. Muito pelo contrário. As oportunidades, aliás, sempre caíram em suas mãos. “O momento de crise, inclusive, abre portas para a tecnologia servir como base às organizações na busca por redução de custos”.

Onde estão as oportunidades
Na CPM Braxis, empresa brasileira de serviços em tecnologia da informação, o que não faltam são vagas. Há no momento 385 posições em aberto, envolvendo todos os níveis, de estagiário a gerente. Grande parte das oportunidades, no entanto, é destinada a profissionais mais juniores.

“Nossa estratégia é permitir que as pessoas possam construir a carreira aqui dentro”, afirma o gerente de recursos humanos da companhia, Alexandre Ullmann. “Preferimos trazer profissionais menos experientes para serem treinados e promovidos, assim que oportunidades de nível sênior forem abertas”.

Entre as vagas disponíveis, o executivo explica que o maior número de posições destina-se a desenvolvedores e programadores Java, analistas e técnicos de mainframe e analistas de banco de dados.

Funções que exigem conhecimento específico das tecnologias, o que acaba refletindo na quantidade de vagas não preenchidas. “É aquele velho problema da escassez de profissionais, enquanto a demanda por projetos vive em ritmo acelerado”, avalia Ullmann.

Para Cesar Castelli, presidente da TCS do Brasil, o gargalo existe quando há necessidade de encontrar gente altamente especializada. Cenário que contribui para a dificuldade de preencher posições.

O executivo destaca que no topo da pirâmide, ou seja, em cargos mais seniores a falta de profissionais é bem mais visível. Isso porque a proporção de quem ocupa postos executivos em relação à base da pirâmide é bem menor.  

Mas assim como seus concorrentes, o desafio da TCS está em achar talentos para a base que, por razões óbvias, oferece um volume maior de vagas. “A rotatividade é grande nesse nível. Quem está no início da carreira é facilmente atraído por outras propostas”, afirma Castelli.

Fator que intensifica o déficit de profissionais. Se é complicado encontrar jovens com boa qualificação, mais difícil ainda é retê-los. Hoje com um universo de 85 vagas, a TCS prevê a criação de mais 200 até o fim do ano fiscal da companhia, que se encerra em março de 2010. 

Desse total, uma fatia considerável é destinada aos especialistas em sistemas de gestão (ERP) e de inteligência de negócios ou Business Intelligence (BI). Quando a companhia não encontra os profissionais, acaba optando pela formação interna. “Procuramos treinar quem ainda não está pronto e evitar um apagão de mão de obra em médio e longo prazo”, conta Castelli.

Outro celeiro de vagas é a gigante IBM. Desde o ano passado, a subsidiária brasileira tem tido, em média, cerca de 300 posições em aberto. Muitas ficam meses e meses “sem dono”, situação que se agrava pela ausência de profissionais com inglês fluente. Entre as funções mais procuradas, destacam-se: programadores Cobol, programadores Java, especialistas em banco de dados, especialista de rede, operadores e analistas de mainframe e operadores de sistemas Unix.

Seguindo o mesmo rumo de suas concorrentes, a IBM também concentra foco na contratação de gente com menos experiência. O que não significa que os mais experientes sejam carta fora do baralho. Pelo contrário, eles ficam em cargos de liderança, com a missão de supervisionar essa turma nova que entra no grupo.

Portas abertas
Enquanto para a maioria das empresas de TI a dificuldade em preencher as vagas por falta de profissionais é recorrente, na fornecedora de sistemas de gestão Totvs o problema acaba sendo pontual. Atualmente, há 300 oportunidades em várias unidades da companhia espalhadas pelo País.

Todas são destinadas a projetos que envolvem as etapas de implantação de software, serviços de consultoria e desenvolvimento. De acordo com a diretora de relações humanas da empresa, Maria de Fátima Albuquerque, nenhuma das posições fica sem ser preenchida. “Não passamos muito tempo com vagas em aberto”, diz.

Só no ano passado, ela estima que foram contratados entre 570 e 600 pessoas. “O que existe é um volume alto de projetos demandando profissionais”, explica. Ciclo que se repete assim que novos projetos são fechados.

Maria de Fátima afirma que as posições que exigem maior número de contratações são as de consultor de negócios, consultor de implantação de software e desenvolvedores para a fábrica de Joinville (SC).

Na Siemens IT Solutions and Services, divisão de serviços em tecnologia da informação, a abertura de vagas está diretamente ligada ao fechamento de projetos. Prova disso é que, atualmente, há um total de 100 posições que foram criadas após ser firmado contrato de terceirização com uma montadora.

Estão sendo selecionados consultores SAP, consultores de banco de dados, profissionais de redes, de segurança e atendente de suporte técnico.

Deixe uma resposta