Home  >  Negócios

Avanço da virtualização puxará crescimento de cloud e de TI Verde, avalia Gartner

São Paulo - Consultoria avalia que essas três tecnologias são os principais destinos de orçamentos de tecnologia este ano.

Fabiana Monte

24/04/2009 às 7h00

Foto:

TI Verde, cloud computing e virtualização são as três tecnologias que vão abocanhar o tímido crescimento médio de 0,2% que a consultoria Gartner prevê para os orçamentos globais de tecnologia da informação este ano.

A estimativa de crescimento dos investimentos em tecnologia varia de país para país, explica Matt Boon, vice-presidente de pesquisas do Gartner. As nações emergentes, como é o caso do Brasil, por exemplo, devem experimentar um crescimento maior no volume de recursos aplicados em tecnologia.

>> Participe das discussões da CW Connect

No entanto, qualquer que seja a estimativa de crescimento orçamentário, virtualização é a tendência que deve receber o maior volume desses recursos, até porque, diz Boon, é ela que viabiliza a adoção de cloud computing e que motiva, em muitos casos, políticas de TI Verde.

"Virtualização é onde as empresas estão gastando e é onde elas continuarão a gastar. É uma tecnologia-chave e considerada 'quente' pelas organizações. TI Verde e cloud computing estão em um estágio anterior à virtualização, no que diz respeito à maturidade", avalia o especialista.

Mas isso não significa que as duas tendências tecnológicas sejam fracas. Pelo contrário, na análise de Boon. Ele ressalta que o avanço do cloud computing depende, em grande parte, da disseminação do uso de soluções de virtualização, o que exige dos fornecedores educar o mercado e estabelecer um relacionamento de longo prazo com os clientes.

Na visão do vice-presidente do Gartner, pequenas e médias empresas serão as responsáveis por puxar o avanço do cloud computing, que viverá, em 2009, um ano de experimentação. Negócios do tipo SMB têm mais facilidade para experimentar serviços de cloud computing do que as grandes corporações, devido a fatores como maior flexibilidade da infraestrutura tecnológica, por exemplo.

O Gartner estima que 26% das maiores organizações brasileiras pretendem aumentar os gastos com cloud computing este ano. Por outro lado, 60% dos participantes de uma pesquisa da consultoria ainda não ouviram falar da tecnologia.

"Há um grande trabalho a ser realizado pelos fornecedores para fazer com que as corporações entendam por que elas devem investir em cloud computing, mesmo se elas já tiverem a intenção de realizar o investimento", pondera Luis Anavitarte, vice-presidente de pesquisas do Gartner para mercados emergentes.

Em relação à virtualização, 48% das maiores empresas brasileiras pretendem aumentar os gastos, uma expectativa bastante semelhante ao verificado em outros mercados, como a Austrália. E TI Verde receberá mais recursos este ano, segundo 39% das companhias pesquisadas pelo Gartner.

"As empresas estão olhando para TI Verde, a questão principal é identificar quais motivos estão levando as corporações a pensar em aderir a tecnologias sustentáveis", destaca Boon.

No Brasil, dizem os dois especialistas, o custo da energia elétrica e o impacto ambiental das tecnologias tradicionais são os fatores mais fortes que levam as empresas a considerar o uso de Green IT. "Ela não é a atual prioridade número 1 dos CIOs, por causa da crise econômica, mas faz sentido investir em TI Verde porque ela resultará em economia de custos no longo prazo. Os fabricantes devem investir em desenvolver e prover soluções deste tipo, especialmente em países como o Brasil", avalia Boon.

Anavitarte acrescenta que, em alguns anos, os governos dos países terão importante impacto na disseminação de políticas de TI Verde pelas companhias, com o surgimento de normas e legislações a respeito do assunto. "No futuro, Green IT não será uma opção, será mandatória", sentencia o especialista.

Marcos Pontes

Parte do trabalho "educativo" dos fornecedores em relação a essas três "hot trends" é apresentar soluções aos clientes que valorizem a integração de estratégias de negócios e de tecnologia.

Matt Bonn avalia que os fornecedores ainda estão focados, simplesmente, em valorizar a possibilidade de redução de custos que as ofertas trazem e como elas podem auxiliar os projetos a entregar crescimento para a empresa.

Ele admite que esses tópicos estão entre as três maiores preocupações dos CIOs atualmente, mas alerta que o pulo do gato é mostrar como alinhar tecnologia e negócios. "Custos são importantes, mas os outros dois também são", finaliza o Boon.

Deixe uma resposta