Home  >  Negócios

Venture capital cai, mas software ainda lidera investimentos

Último trimestre de 2008 mostra queda nos investimentos de venture capital nos EUA, mas área de software ainda lidera em valores investidos e acordos fechados.

IDG News Service

26/01/2009 às 17h03

Foto:

Em uma semana repleta de demissões e de contínua queda nas bolsas de valores, a redução de investimentos de venture capital no setor de software poderia ser mais uma entre tantas más notícias. Os investimentos caíram nos Estados Unidos, inclusive na área de software, mas o setor continua reinando como a maior categoria isolada, tanto em valores investidos quanto em acordos fechados.

De acordo com o relatório MoneyTree, feito pela PricewaterhouseCoopers e pela NVCA (National Venture Capital Association), em todas as indústrias, as companhias de venture capital norte-americanas investiram, no último trimestre de 2008, 5,4 bilhões de dólares em 818 acordos, o que representou uma queda 26% em relação aos 7,3 bilhões de dólares investidos no trimestre anterior. “É o primeiro declínio desde 2003”, avalia Matthew Toole, diretor de pesquisa da Thomson Reuters.

A indústria de software, por sua vez, viu o menos nível de investimentos em 10 anos: 1 bilhão de dólares. O número de acordos também caiu: foram 194, marcando o menor número de companhias de software abertas desde 1997. Mas os números anuais não foram tão ruins quanto os trimestrais. O total investido em 2008 foi de 4,9 bilhões (queda de 10%) e ao todo foram criadas 881 companhias (queda de 7%).

Mas há boas notícias para as indústrias de software e TI. “Como esperado, apesar da maior queda em dez anos, o setor de software ainda é o maior”, diz Tracy Lefteroff, parceira da PwC para a prática de private equity. A área de TI como um todo movimentou 13,3 bilhões de dólares em venture capital em 2008, sendo 4,9 bilhões de dólares em investimentos em software; 2 bilhões de dólares em mídia e entretenimento; 1,8 bilhão de dólares em serviços de TI; 1,6 bilhão de dólares em telecom; 1,6 bilhão em semicondutores; 644 milhões de dólares em redes; e 573 milhões de dólares em eletrônicos e instrumentação.

Lefteroff lembra que, deste total, 1,3 bilhão de dólares veio de startups. “Qualquer sugestão de que a indústria está retornando a estágios primários é infundada”, diz John Taylor, vice-presidente de pesquisa da NVCA.

Indo mais além, Pascal Levensohn, fundador da Levensohn Venture Partners, lembra que os planos de tecnologia do recém empossado presidente Barack Obama incluem smart grid, infraestrutura web e banda larga nacional, o que mantém a promessa de que o dinheiro continuará circulando na área de TI. “Tecnologia será um dos setores mais bem posicionados no meio de toda esta confusão”, disse.

Deixe uma resposta