Home  >  Negócios

Ceitec promete 1ª fábrica de semicondutores do Brasil para 2009

Em fase final de construção, unidade entrará em funcionamento na metade de 2009; primeiro produto será um chip RFID para rastreamento bovino.

Fabiana Monte

15/05/2008 às 18h13

Foto:

A primeira fábrica de semicondutores do Brasil deverá funcionar no Rio Grande do Sul e estará operacional a partir do segundo semestre de 2009. As informações são de Sérgio Dias, diretor-presidente do CEITEC (Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada).

O centro recebe, desde 2004, investimentos do governo federal por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do FINEP. Os recursos recebidos já somam aproximadamente 240 milhões de reais.

O CEITEC reúne um centro de design e uma fábrica de semicondutores, que estão em fase final de construção. Nos próximos 12 meses, a unidade de produção passará pelo período de instalação e ajuste de equipamentos. A partir daí, começará a fabricação de dois milhões de chips RFID para rastreamento bovino. “Neste primeiro projeto, trabalharemos com 10% da capacidade de produção da fábrica”, informa Sérgio Dias, diretor-presidente do CEITEC.

Entenda quais são os entraves para uma fabrica de semicondutores no Brasil

O chip de rastreamento foi escolhido para dar início à produção depois de um estudo de viabilidade econômica realizado junto com o BNDES. A análise mostrou que havia boas condições de mercado, que o volume era alto e que a fabricação era simples.

A expectativa é que a produção local reduza em dois terços o preço deste tipo de chip, que hoje custa em torno de três dólares e é importado. A estimativa é que o mercado interno consuma em torno de 12 milhões de peças anuais. Quando a fábrica entrar em operação, o faturamento anual do CEITEC deve chegar aos 100 milhões de reais ao ano. Hoje, o centro tem gastos de aproximadamente 20 milhões de reais por ano com manutenção.

A fábrica do Ceitec, no entanto, não seria uma das duas unidades de produção de semicondutores que o governo federal pretende estabelecer no país, de acordo com as metas da Política de Desenvolvimento Produtivo anunciada esta semana.

Centro de design
O projeto do chip foi desenvolvido pelo centro de design do CEITEC, que já concluiu outros dois – um outro RFID e um de automação. Agora trabalha em um modulador e em um demodulador para TV digital, além de um projeto para WiMax.

A produção da fábrica, no entanto, não será restrita para os produtos criados pelo centro de design. “Podemos projetar, e não necessariamente fabricar, e vice-versa.”, explica Dias.

Ele acredita que tanto o centro quanto a fábrica poderão atender a diversos setores, com projetos para automação, identificação e sistemas de sensores, por exemplo. “Não produziremos chips com alto poder de processamento, serão produtos mais simples do ponto de vista tecnológico”, completa.

Enquanto as obras da fábrica e do prédio administrativo são concluídas, o CEITEC funciona em instalações da na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS) e na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS), em Porto Alegre. Essa proximidade com instituições de ensino favorece o acesso do centro à mão-de-obra qualificada, mas Dias reclama que faltam profissionais qualificados e experientes.

Atualmente, o CEITEC tem 70 funcionários, dos quais 43 são projetistas e 11 são engenheiros que trabalharão na fábrica. Os outros fazem parte da equipe administrativa. Até o fim de 2009, a meta é contar com 120 projetistas na equipe.

Deixe uma resposta