Home  >  Plataformas

Super banda larga da Telefônica vai custar cerca de 500 reais mensais

Operadora de telefonia fixa apresenta serviços que será oferecido primeiro numa região que inclui 40 mil domicílios em bairros de classe média alta da capital paulista.

Taís Fuoco

12/12/2007 às 16h01

Foto:

O serviço de super banda larga que a Telefônica começa a
vender em janeiro de 2008 vai ter um custo mensal estimado em 500 reais em um
pacote que inclui TV por assinatura e telefonia com plano de voz ilimitado para
ligações locais.

A companhia começa a venda do serviço, que ainda não tem
marca comercial definida em uma região que inclui cerca de 40 mil domicílios em
bairros de classe média alta da capital paulista como Cerqueira César, Jardins,
Pinheiros e Sumaré.

De acordo com Stael Prata Filho, diretor-geral da Telefônica
em São Paulo, a estratégia está dentro da iniciativa do grupo de ter “oferta
segmentada que atenda cada vez melhor aos clientes”.

Segundo ele, além da banda larga de altíssima velocidade via
fibra ótica, que pode chegar a uma velocidade de até 100 mega bits por segundo,
o pacote terá o que ele chamou de “serviços diferenciados”, como uma central de
atendimento específica para esse público e serviços de instalação e manutenção.

O executivo afirma ainda que a meta da operadora espanhola é
“pelo menos quadruplicar” o número de casas cabeadas até o final do ano na
capital paulista (levando o total a 160 mil casas), além de incluir na rede 240
mil domicílios do interior.

Outros destaques do COMPUTERWORLD:
> Além de celular, Metrô de SP terá banda larga sem fio
> Índia passa EUA e se torna 2º maior mercado para a Nokia
> Bahia vai ter economia de R$ 200 mil mensais com telefonia
> Microsoft vai vender comunicações unificadas como serviço
> Guerra entre empresas de cabo e telefonia pode durar 10 anos

Para ampliar essa oferta, a Telefônica vai investir 123 milhões
de reais em 2008. De acordo com o Prata Filho, até o primeiro semestre de 2008,
os pacotes também terão a opção de IPTV. De acordo com ele, os serviços incluem
video sob demanda e até o serviço de TV por assinatura da TVA, de cujo capital
a Telefônica comprou uma parte.

De acordo com o executivo, a solução de fibra ótica “é mais
potente e menos limitada” que o cabo, em que a rede é compartilhada entre todos
os assinantes. Além disso, destaca o executivo, a solução permite incluir de três
a cinco pontos adicionais de conexão na mesma casa dentro da mesma largura de
banda.

Deixe uma resposta