Home  >  Negócios

Caso Microsoft: administração Bush tende ao acordo

No final da próxima semana, o governo norte-americano apresenta seu parecer sobre o processo antitruste movido contra a Microsoft Corp. Analistas afirmam que o Governo Bush não deverá acirrar os ânimos, mas sim, buscar um acordo entre as partes.

Computerworld

03/01/2001 às 19h43

Foto:

No final da próxima semana, o governo norte-americano deve apresentar seu parecer sobre o processo antitruste movido contra a Microsoft Corp..

O DOJ pedirá à Corte de Apelação do Distrito dos Estados Unidos que não anule o julgamento do juiz Thomas Penfield Jackson, que no ano passado, considerou, a Microsoft como uma empresa que infringiu as leis antitruste. A partir dessa decisão, solicitou a divisão do conglomerado.

A Microsoft desafia o Governo afirmando que o sistema operacional Windows enfrenta a concorrência de diversos sistemas operacionais, como clientes leves e aplicativos para Internet. Em seu relatório apresentado à corte de apelação, em novembro, a companhia também negou qualquer prática ilegal.

Em breve, o caso pode sofrer o impacto da nova administração do presidente eleito George Bush. Alguns especialistas legais acreditam que a nova administração no Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ) poderia aliviar as táticas da justiça contra a companhia de Bill Gates, ficando assim, mais aberta a um acordo.

De qualquer forma, não será fácil para a administração Bush ter uma influência sobre este caso. Primeiro, o andamento da apelação neste caso é mais rápido do que as reuniões do novo Departamento de Justiça.

Recentemente, a Microsoft informou que seus lucros estariam abaixo das expectativas para o ultimo trimestre de 2000 como reflexo do cenário econômico atual.

No entanto, os dados de mercado que devem ser divulgados pela ainda este mês prometem revelar um crescimento na participação de mercado de 87% da Microsoft, no mercado de sistemas operacionais, em 2000, bem como um aumento sobre a fatia atual de 38% no mercado de servidores, diz Dan Kusnetzky, analista da IDC (International Data Corp.) em Massachussets.