Pode ser um erro atrelar o destino dos wearables corporativos ao que estamos vendo no mercado consumidor

26 de Junho de 2017 - 16h38

 

Alguns anos atrás, os wearables foram aclamados como a tecnologia mais recente com poder de permanência, que certamente mudaria o dia a dia de todos. Mas, passados alguns anos, as pessoas começaram a questionar: o Apple Watch é realmente tudo isso?

 

As tendências de mercado ecoam esses sentimentos. Em 2016, as vendas de smartwatches estagnaram em cerca de 16% dos adultos americanos utilizando regularmente o dispositivo. Além disso, players importantes como o Pebble, fecharam as portas. Isso levanta a seguinte questão: Os wearables estão mortos?

Alguns, de uma geração mais antiga, devem se lembrar do seriado Agente 86, comédia cujo do agente secreto Maxwell Smart podia atender o telefone por meio de uma infinidade de objetos (50 ou mais), deste a sua gravata, o pente, o sapato, o cinto, a carteira, o lenço, uma mangueira de jardim e até mesmo em um sanduíche de queijo. Alguns dos dispositivos "inteligentes" do mundo moderno provavelmente parecem tão exagerados quanto.

 

Mas os wearables merecem um outro olhar? Mais importante ainda, eles são promissores nos serviços em campo? A resposta é sim.

 

Nos serviços em campo, os wearables podem potencialmente monitorar e melhorar a saúde e a comunicação do técnico durante o trabalho. Os dispositivos podem ajudar a identificar a localização dos técnicos em seus caminhos ou de um compromisso de serviço. E os óculos de realidade virtual portátil (VR) podem até liderar os técnicos por meio de uma rotina de solução de problemas ou orientá-los a corrigir um sistema quebrado.

 

Mas isso é suficiente? Será que os wearables sobreviverão mais um ano? Serão viáveis ​​no mundo do serviço em campo?

 

Os wearables estão realmente morrendo lentamente?

 

À primeira vista, pode parecer que o mercado consumidor está morrendo. Uma das primeiras e mais inovadoras empresas de smartwatch: a Pebble fechou suas portas em dezembro passado e depois foi adquirida pela Fitbit. Esta, por sua vez, registrou vendas abaixo do esperado em 2016, o que fez com que realizasse demissão em massa.

 

Mas nem tudo está perdido. De acordo com a IDC, cerca de 98 milhões de dispositivos portáteis foram produzidos no ano passado e mais da metade deles, eram fitness trackers — serviço online e gratuito, capaz de acompanhar o progresso em esportes e atividades físicas, diariamente. Além disso, a IDC projeta a venda de mais de 124 milhões de wearables neste ano, sendo 57 milhões deles sob a forma de rastreadores de aptidão física (fitness trackers).

 

Alguns analistas dizem que os consumidores consideram redundantes o Fitbit e outros health trackers, uma vez que os smartphones oferecem muitas das mesmas funções básicas — etapas de rastreamento e distância coberta, por exemplo. De acordo com Ramon Llamas, gerente de pesquisa de wearables e telefones móveis da IDC, todos estes são sinais de que o mercado está amadurecendo. Ele está convencido de que os consumidores estão interessados ​​nos wearables e querem ver mais opções.

 

No Brasil, esse mercado emerge de forma lenta e embrionária. Contudo, são as pulseiras para rastreamento da prática esportiva que vêm tornando os wearables populares no país. Segundo maior mercado fitness do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, o Brasil está no radar das fornecedoras de tecnologia wearable, que têm apostado e investido no mercado brasileiro.

 

Um estudo da Ericsson revela que no Brasil, 31% dos usuários de smartphones, entre 15 e 65 anos, já utilizam ou possuem uma tecnologia vestível. As estatísticas refletem uma evolução da ideia de wearable no país, pois três quartos dos usuários de tecnologias vestíveis as recomendariam para outras pessoas. Entre os mais populares desta tecnologia, estão os smartwatches — com 45% e mais atraente para homens —, enquanto os rastreadores fitness chegam a 43% (as cintas fitness são mais atraentes para o público feminino).

 

Além disso, a pesquisa apontou que 68% dos brasileiros acreditam que as tecnologias vestíveis são caras; 38% consideram que manter todos os dispositivos digitais com internet é algo dispendioso; 54% dos usuários brasileiros de smartphones acreditam que o passaporte e o documento de identidade serão substituídos por tecnologias vestíveis com identidade permanente nos próximos cinco anos; e 47% dos usuários de smartphones dizem que, nos próximos cinco anos, as tecnologias wearables serão utilizadas para realizar a maioria das funções de smartphones, mas não todas. No entanto, um número igual discorda dessa previsão.

 

Então, o que isso significa para o serviço em campo? Pode ser um erro atrelar o destino dos wearables corporativos ao que estamos vendo no mercado consumidor. Os wearables realmente tiveram uma forte aceitação no ano passado em outros mercados, incluindo as indústrias médica e desportiva. Este é um ajuste natural, uma vez que esses setores podem, em grande parte, usar wearables como inicialmente projetados para o mercado consumidor (para rastrear a saúde e a condição física). Isso pode ajudar a explicar por que a empresa de pesquisa Tractica prevê que mais de 66 milhões de dispositivos portáteis serão enviados anualmente para uso em ambientes corporativos e industriais até 2021.

 

Os dispositivos portáteis que permitem a comunicação hands free e uma melhor conclusão da tarefa podem fazer uma marca no serviço em campo. Aqui estão três categorias com promessa significativa:

 

Relógios Inteligentes

 

O pessoal do campo geralmente tem as mãos, literalmente, cheias. Se eles estão dirigindo um veículo, segurando ferramentas ou subindo uma escada, não podem ser distraídos. Essa é uma razão pela qual os wearables, como os relógios inteligentes, são tão atraentes.

 

Imagine as possibilidades. Um técnico em campo em um poste ou ao lado de um edifício pode chamar um especialista remoto para ajudá-lo a diagnosticar a situação - sem segurar um telefone celular. Ou eles poderiam usar um comando de voz para acessar uma base de conhecimento de informações. A tecnologia pode até registrar os detalhes do serviço por voz no momento, certificando-se de que todos os registros sejam atualizados imediatamente e com precisão.

 

Os benefícios dos relógios inteligentes são claros: técnicos mantendo-se focados na tarefa, enquanto cuidam de suas chamadas de forma mais eficiente. O resultado? Maiores taxas de conclusão na primeira visita, resoluções de serviço mais rápidas e melhores e maior satisfação do cliente.

 

Ao mesmo tempo, o acesso imediato à informação no momento pode ajudar os líderes das empresas a melhor identificar as questões de tendências e priorizar as respostas. Por exemplo, se vários técnicos informarem sobre o mesmo problema com um equipamento recém-lançado, o gerenciamento pode tomar medidas imediatas para solucionar proativamente o problema.

 

Roupas inteligentes

 

Com as roupas inteligentes, que se assemelham ao vestuário diário, o smartwear é uma possibilidade real no serviço em campo. Veja o caso da jaqueta inteligente criada pelo Google em parceria com a Levis. As fibras condutoras permitem que o usuário se conecte e controle seu smartphone usando o punho como um touchscreen. Interagir com seus smartphones enquanto estiver ligando pode expor os técnicos em campo a perigos potenciais, distraindo-os da tarefa em questão. Estes perigos podem ser reduzidos se, em vez disso, eles pudessem deslizar o punho de suas jaquetas para usarem seus telefones.

 

Há também roupas inteligentes capazes de medir a temperatura e outros fatores ambientais. Um colete ou jaqueta inteligente com essa capacidade podem ajudar os técnicos a avaliar os fatores ambientais que podem estar contribuindo para um problema ou falha no sistema. Além de identificar com rapidez e precisão a causa, essa roupa eliminaria a necessidade de transportar equipamentos adicionais.

 

Toucas inteligentes

 

A touca inteligente pode ser a escolha de wearable mais natural de se vestir para os profissionais do serviço em campo. Afinal, muitos técnicos já utilizam capacetes ou outros acessórios na cabeça como parte de seus uniformes.

 

Os chapéus inteligentes, em uma grande variedade de estilos, já estão em uso em indústrias como as de transporte e mineração. Alguns podem monitorar sinais de fadiga e enviar alertas para as pessoas em situações de risco ou máquinas sensíveis à operação.

 

Da mesma forma, um fone de ouvido que incorpora realidade virtual juntamente com uma câmera e capacidades de comunicação podem fornecer aos técnicos o acesso a informações e dados remotos. Imagine que um técnico seja enviado, no meio do inverno, para isolar um problema em uma linha subterrânea de telecomunicação. Utilizando o fone de ouvido - que sobrepõe informações sobre a localização da linha e pontos de referência físicos relevantes - a tecnologia poderia literalmente olhar além da neve para identificar a seção correta do cabo e até mesmo localizar a entrada mais próxima para acessá-lo.

 

Uma vez que é subterrâneo, o que a tecnologia vê, seria exibido de volta na sede para que o especialista remoto pudesse fornecer insights e sugestões em tempo real. Além disso, o fone de ouvido poderia sobrepor os diagramas diretamente no cabo, fornecendo ao técnico no local, orientações claras sobre como resolver o problema.

 

Embora muitos desses wearables ainda estejam engatinhando, é fácil enxergar seu potencial. É apenas uma questão de tempo até que provem seus méritos e viabilidade no mundo real.

 

*Wagner Tadeu é gerente geral da ClickSoftware para América Latina.