TI na Prática > Continuidade dos Negócios, Data Center, Servidores

Unimed São Roque reduz custos em projeto de modernização de data center

Após a paralisação de um servidor, unidade investe em ambiente de produção e contingência

01 de Fevereiro de 2016 - 09h30

Imagina uma operadora de saúde com cerca de 500 funcionários, com um faturamento de aproximadamente R$ 8 milhões a R$ 10 milhões mensais e uma unidade hospitalar de 45 leitos, sofrer a parada de um servidor? A Unimed de São Roque passou por uma situação dessas.

Com um modelo de negócio que exigia disponibilidade das informações, a companhia se deparou com a necessidade de reestruturar seu data center, realizar a readequação dos equipamentos e estabelecer máquinas dedicadas à gestão hospitalar, a fim de manter a continuidade dos negócios e a disponibilidade dos dados.

A empresa contratou a consultoria S2IT para reestruturar seu centro de processamento. O projeto possibilitou uma otimização de todo parque tecnológico. Como parte da iniciativa, a companhia investiu na adoção do Linux para os servidores Oracle/Tasy (Gestão Hospitalar) garantindo maior confiabilidade para o ambiente.

A reestruturação permitiu um melhor aproveitamento do hardware, otimização e maior performance na aplicação, o que reduziu o tempo de downtime para próximo a zero.

A replicação do ambiente, por sua vez, garantiu uma infraestrutura segura, já que a cada 15 minutos os dados são atualizados e armazenados em ambiente físico diferentes, o que gerou considerável economia e uma gestão de contingência mais do que segura.

"Por um custo dentro do esperado, conseguimos estabelecer um alto padrão de organização, normatizações, confiabilidade, além de um ambiente de produção e contingência confiável, com configurações corretas, algo que existia antes, mas não com esse grau de confiabilidade”, afirma Juliano Nicola, gerente de TI da companhia.

O gestor observa que, ao otimizar a capacidade dos nossos servidores, foi possível reduzir taxa de manutenção e os custos. “Reduzimos os servidores em cerca de 30%, sem perda de qualidade, pelo contrário, com ganhos mensuráveis”, sinaliza.