Big Data

Startup usa inteligência artificial para dinamizar a antecipação de recebíveis

Com foco no mercado B2B, Antecipa criou plataforma que utiliza análise de big data e machine learning para automatizar a relação entre compradores e fornecedores

13 de Novembro de 2017 - 15h02

Camilo Telles, CEO e o fundador da startup Antecipa, defende que um dos principais objetivos da empresa de antecipação de recebíveis é tirar, como o próprio diz, "os bancos da jogada". Para isso, a startup com sede em Salvador, desenvolveu uma plataforma alimentada com machine learning que consegue automatizar a relação financeira entre compradores e fornecedores.

A prática de antecipar recebíveis é recorrente no mercado e utilizada por PMEs (Pequenas e Médias empresas) para ter capital de giro. Trata-se de uma espécie de linha de crédito em que transforma duplicatas de venda a prazo, vendas parceladas no cartão de crédito ou ainda cheques pré-datados de clientes para saldar as contas atuais. Em resumo, é antecipar um dinheiro futuro que a empresa já iria receber.

Quando uma PME fornece um serviço ou produto para uma grande companhia, ela tem um valor a receber, o chamado "recebível". Entretanto, há um prazo para o pagamento desta fatura gerada pelo fornecedor que, muitas vezes, precisa receber o dinheiro antes do prazo estipulado. As grandes companhias, então, podem antecipar os recebíveis, porém cobram uma taxa para adiantar a operação. É aí que o Antecipa consegue otimizar a relação entre as duas partes, melhorando a eficiência das negociações financeiras de descontos de recebíveis em uma relação, segundo Telles, "ganha-ganha".

"Nossa solução sempre permitirá que o comprador (aquele que tem a obrigação de honrar com o pagamento em alguma data futura) tenha retorno acima do CDI - um benchmark para investimentos em renda fixa. Ou seja, ao realizar uma antecipação a uma taxa de 2,5%, isso representaria um desconto de 300% do CDI”, explica Telles. Dessa forma, se a taxa ofertada para antecipar um recebível for mais baixa que a cobrada pelo banco para pegar um empréstimo, por exemplo, a operação do Antecipa é vantajosa.

No final do dia, a plataforma desenvolvida pela startup dinamiza as taxas de juros ao fornecedor ao passo que aumenta o rendimento do caixa do comprador, no caso, a grande empresa. A Antecipa prioriza primeiro o caixa do comprador, para depois integrar ao banco, caso ele não tenha capital suficiente para bancar sua própria cadeia produtiva.

"O fato é que o spread bancário brasileiro é um dos maiores do mundo com impostos como IOF. À medida em que desintermediamos a cadeia, escapamos da cultura de centralização de capital”, justifica Telles.

Como funciona

A Antecipa recorre à análise de dados e algoritmos para avaliar individualmente a reputação de crédito de cada fornecedor. Assim, consegue avaliar o risco de cada um e propor taxas mais atraentes tanto para o comprador quanto para o fornecedor. Ao automatizar essa transação, a startup acelera uma negociação que, de outra forma, seria feita quase que manualmente.

Na prática, o comprador combina com o fornecedor de pagar em 30 a 60 dias, tendo a opção de antecipar o pagamento mediante um desconto comercial. No entanto, no mercado atual, ele tem de escolher uma taxa referencial estática, deixando de analisar as alternativas que o fornecedor teria disponíveis no mercado, assumindo o risco de ofertar um desconto menor.

“Vamos supor que a taxa negociada pelo comprador foi de 2,5% para fazer uma determinada antecipação, mas o fornecedor pesquisou e notou que a taxa poderia ser de até 4% em fontes alternativas (a exemplo banco). Logo, a taxa poderia ter sido maior e o comprador poderia ter obtido um retorno superior na operação. Por outro lado, se, por alguma razão, o fornecedor não aceitar o negócio, o dinheiro acabará parado no banco, rendendo 0,70% ao mês. Com a ferramenta de fixação de preços da Antecipa, a negociação poderia ter alcançado taxas acima de 3%, por exemplo”, explica Telles.

Quanto ao modelo de negócios, a Antecipa fica com um percentual cobrado dos compradores, aqueles que antecipam o dinheiro aos fornecedores, e varia de acordo com o desempenho das transações e rentabilidade.

Com pouco mais de um ano de operação, a startup afirma ter atraído 300 clientes para sua plataforma, com movimentação mensal de R$ 1,4 milhão. Atualmente, a empresa é residente do Cubo Coworking Itaú e participa do programa de startups da multinacional alemã SAP, o SAP Startup Focus.

Para fundar a startup, Telles, que é mestre em Ciências da Computação, recorreu às economias do próprio bolso. Segundo ele, o valor de 300 mil reais investidos veio quando o negócio já operava com os primeiros clientes. A expectativa do Antecipa é faturar, neste ano, 2 milhões de reais e atender 10 mil empresas até o fim de 2018.