Segurança > Rede, Segurança de Aplicação

Só 25% profissionais de TI tomam medidas eficazes contra ciberataques

Apenas 23% dos entrevistados em uma pesquisa da Avaya acreditam que suas empresas utilizam segmentação de redes

05 de Outubro de 2016 - 11h42

Violações em pontos de venda, ransomwares e diversas outras situações que envolvem roubos de dados são presença constante no noticiário global. Para mitigar os riscos de invasão, profissionais da área de TI afirmam ser fundamental a segmentação da rede (capacidade de criar "swim lanes" seguras em toda a rede para aplicativos ou serviços).

No entanto, segundo pesquisa recente financiada pela Avaya, os números mostram que poucas empresas realmente aplicam a estratégia de segmentação ponta a ponta. Para ser mais específico: apenas um em cada quatro entrevistados dizem colocar o método em prática.

Citada por 400 profissionais de TI nos Estados Unidos como uma medida fundamental de segurança, apenas 23% dos entrevistados acreditam que atualmente suas empresas utilizam a segmentação em suas redes e 22% sequer sabiam que isso era possível.

As principais razões citadas para a ausência de tal medida de segurança foram: muito complicado (35%), requer muitos recursos (29%) e a implantação é muito arriscada (22%).

Segundo a pesquisa, a grande questão que a maior parte das empresas enfrenta é que boa parte dos gastos com segurança são direcionados para um perímetro rígido da rede. Este perímetro se transformou em um "universal" devido à tecnologia de computação em nuvem, à terceirização e à tecnologia BYOD.

“Se a empresa não contar com um controle adequado, a violação de um único dispositivo pode dar ao hacker acesso a todas as partes críticas de uma organização”, reforça o relatório da provedora de tecnologias de comunicação.

Três pontos de entrada são citados no estudo como os de maior ameaça na organização: e-mail dos funcionários (50%), conexões sem fim/wireless (50%) e dispositivos móveis dos funcionários (46%).

A correta implantação de uma segurança integral na rede é fundamental para tratar das características fluídas de um perímetro universal.

“Diferente das tecnologias tradicionais, que tem um custo alto de implantação e contam com funcionalidades limitadas, a segmentação de ponta a ponta atende desde a central de dados até o computador de forma nativa e reduz a complexidade e a sobrecarga operacional”, ilustra.

Os segmentos de toda a rede são contínuos e criados por meio de comandos simples de configuração a partir de um dispositivo limiar (edge device) e permite às organizações a atualização de novos serviços ou alterações das funções já existentes em questão de minutos.