Mobilidade > Smartphones

Smartphones estão matando a sua produtividade. Você ficaria sem eles?

Celulares inteligentes drenam nossa atenção mesmo quando desligados. E isso não é nada bom para a sua carreira. Pesquisadores e empresas tentam achar uma solução para o problema

22 de Agosto de 2017 - 14h24

O Vale do Silício está drenando a fonte mais preciosa da economia para o seu próprio benefício. OK, deixe-me explicar melhor isso. 

A fonte mais preciosa da economia é a atenção humana - especificamente, a atenção que as pessoas direcionam para o trabalho. Não importa o tipo de companhia que você possui, preside ou trabalha para, os funcionários dessa companhia são pagos não apenas por suas habilidades, experiência e trabalho, mas também por sua atenção e criatividade.

Quando, digamos, o Facebook e o Google atraem sua atenção, eles estão tirando a mesma de outras coisas. E, claro, uma dessas coisas é o trabalho para o qual você está sendo pago ou pagando para seus funcionários fazerem. 

Como um experimento um tanto duro, imagine que um funcionário que costumava prestar atenção ao seu negócio oito horas por dia, agora o faz por sete horas/dia, porque ele ou ela tem checado a timeline do Facebook na última hora. 

O Facebook está ganhando essa atenção - e monetizando com adicional dólares em publicidade. De forma bem simplista, poderíamos dizer que o CEO do Facebook está transferindo parte da receita da sua companhia para a dele. 

É claro que é bem mais complicado que isso. Funcionários estão distraídos com seus smartphones, browsers web, aplicativos de mensagem, sites de compras e muitas outras redes sociais além do Facebook. E o mais alarmante é que o problema está ficando cada vez pior e de forma mais rápida.

Segundo estudo da consultoria Flurry, usuários americanos estão gastando mais de cinco horas por dia usando seus smartphones e o time dedicado a aplicativos aumentou em 69% em um único ano (de 2015 a 2016).

E o tempo gasto em redes sociais também está aumentando de forma acelerada. A Global Web Indexsays indica que pessoas agora dedicam mais do que duas horas por dia em redes sociais, em média. E esse tempo extra é facilitado por smartphones e apps.

No livro "iGen", Jean M. Twenge defende que jovens estão à beira de uma crise mental causada, principalmente, por terem crescido com smartphones e redes sociais. Esses caras viciados em smartphones, potencialmente no abismo da estabilidade emocional, estão agora entrando no mercado de trabalho. E é por isso, que algo precisa ser feito para resolver o problema do vício nessas telas que vão para cima e para baixo com a gente. 

Mas espera aí, você pode exclamar! Isso não é o mesmo tipo de associação e alarme que as pessoas faziam quando surgiram a TV, videogames e a própria Internet? Ainda não está claro. O que está claro é que smartphones são, de fato, uma distração.

O que a ciência diz

Um estudo da Universidade de Texas, em Austin, publicado recentemente no Journal of the Association for Consumer Research identificou que um smartphone consegue desviar a atenção mesmo quando não está sendo usado, mesmo quando o seu aparelho está em silêncio - ou até mesmo quando é desligado e colocado em uma bolsa, pasta ou na sua mochila. 

Testes que exigiam total atenção foram dados para participantes. Eles eram instruídos para colocarem seus telefones no modo "silencioso". Alguns mantiveram seus aparelhos por perto, e outros foram pedidos para deixá-los em outra sala. E estes últimos tiveram uma performance significativamente melhor que outros nos testes. 

Quanto mais dependente as pessoas são de seus aparelhos, mais forte será o efeito da distração, de acordo com a pesquisa. A razão para isso é que os smartphones ocupam em nossas vidas o que é chamado de "espaço privilegiado de atenção", similar ao som de nossos próprios nomes. (Imagine o quão distraído você ficaria se alguém próximo ao seu ouvido ficasse falando e se referindo a você pelo seu nome - é isso que smartphones fazem com a nossa atenção).

Este artigo me faz lembrar de pesquisas anteriores citadas pela professora do MIT, Sherry Turkle, em seu livro de 2015, "Reclaiming Conversation: The Power of Talk in a Digital Age" (Recuperando a Conversa: O Poder da Conversa na Era Digital, na tradução livre). Eu a entrevistei depois que seu livro saiu, e ela me disse que ao, simplesmente, colocar um smartphone na mesa perto de duas pessoas conversando, isso já muda a conversa para uma mais trivial e menos atraente. Para ela, "o telefone simboliza que podemos ser interrompidos a qualquer momento" e, portanto, as pessoas naturalmente gravitam em tópicos frívolos que podem ser interrompidos sem consequências.

Então, da mesma forma que um telefone no modo silencioso ou mesmo desligado distrai tanto quanto um alerta sonoro, acontece que um smartphone - que faz notificações de alerta de ruídos ou vibrações - é tão distorcível quanto realmente pegá-lo e usá-lo, de acordo com um estudo da Universidade Estadual da Flórida. Mesmo aqueles alertas curtos "podem induzir pensamentos irrelevantes de tarefas, ou dispersão da mente, o que mostrou que danifica o desempenho de uma tarefa".

Os trabalhadores distraídos são improdutivos. Uma pesquisa da CareerBuilder descobriu que os gerentes de contratação acreditam que os funcionários são extremamente improdutivos e mais da metade desses gerentes acreditam que os smartphones são culpados.

Alguns empregadores disseram que os smartphones degradam a qualidade do trabalho, diminuem a moral, interferem no relacionamento entre chefe e empregado e fazem com que os funcionários percam os prazos. (Os funcionários entrevistados discordaram, apenas 10% disseram que os telefones prejudicam a produtividade durante o horário de trabalho).

Mesmo assim, sem smartphones, as pessoas são 26% mais produtivas no trabalho, de acordo com outro estudo, realizado pelas Universidades de Würzburg e Nottingham Trent e encomendado pela Kaspersky Lab.

Então, qual é a solução?

Turkle me disse que ela espera uma reação das corporações porque "não falar [em conversas significativas, cara a cara] não é bom para a linha de fundo. Vamos redesenhar nossos telefones".

Sua previsão já está se tornando realidade. Pelo menos dois novos smartphones são expressamente projetados e criados para corrigir exatamente o problema de distração de nossa era.

O telefone de U$S 349 Siempo é um dispositivo anti-distração. Ele permite que você faça fotos e mapas, mas não permite que aplicativos adicionais sejam baixados.

Isso também torna o uso do telefone um inconveniente. Você deve digitar suas intenções cada vez que quiser usar o telefone - por exemplo, você deve escrever: "Verifique meu calendário".

O Siempo permite que você agende todas as suas notificações para acontecer juntas em intervalos cronometrados - digamos, a cada três horas, para que eles não incomodem constantemente. Você também pode pressionar um botão "pausa" na lateral do telefone para parar todas as notificações. O passo extra é projetado para quebrar o hábito de verificações insensatas e constantes. A expectativa é que o Siempo seja lançado no próximo ano.

Uma solução ainda mais radical é o Light Phone, que não tem nenhuma tela, e não faz nada senão lidar com chamadas em uma rede 2G. Mesmo as mensagens de texto não são possíveis com a versão atual. Foi projetado para ser um telefone secundário, permitindo tirar pausas do smartphone principal sem se desconectar completamente.

Eu falei esta semana com o cofundador da Light Phone, Joe Hollier, e ele me disse que a próxima versão do Light Phone servirá o mesmo propósito, mas terá mais alguns recursos. Especificamente, a empresa pretende torná-lo um telefone 4G que pode ter um pequeno número de aplicativos codificados, incluindo mapas e, possivelmente, o Assistente do Google (o Light Phone é baseado no Android). Além disso: pode ter uma tela de e-Ink. 

Esses telefones anti-distração podem ser ótimas soluções para pessoas que optam por usá-los. Mas eles não são substituídos pela política empresarial, mesmo para ambientes que não abrecem a política BYOD (sigla para Bring Your Own Device ou Traga o seu próprio dispositivo). Telefones minimalistas simplesmente incentivariam os funcionários a carregar um segundo telefone pessoal. Além disso, os aplicativos da empresa não podem ser executados neles.

A única solução é uma combinação entre treinamento, educação e melhor gerenciamento. As empresas devem buscam um treinamento regular sobre os custos de distração dos smartphones.

O impulso de escapar para a interação social pode ser redirigido parcialmente para ferramentas de colaboração da empresa selecionadas para sua capacidade de se envolver em funcionários.

E, finalmente, os departamentos de RH devem procurar um problema maior: a distração extrema do smartphone pode significar que os funcionários estão completamente desativados do trabalho. Os motivos para isso devem ser identificados e abordados.

A pior "solução" é a negação.