Gestão > Estratégia, Inovação

Sete fundamentos para estabelecer o ritmo da inovação

Como uma abordagem multimodal ajudará sua organização a maximizar o potencial de inovação em seu ecossistema diversificado

21 de Março de 2016 - 09h41

Embora a concepção da ideia seja uma pequena parte do programa de inovação de uma empresa, há muitas questões a considerar em termos de direcionamento de suas atividades de criação, baseada em eventos, para apoiar as necessidades táticas e estratégicas de negócios.

Certamente, não faltam opções de escolha, que variam desde softwares empresariais, consultorias e até redes de solução de problemas, concursos de inovação, parcerias com startups e laboratórios, inovação aberta com clientes e parceiros, entre outras opções. A principal consideração é que você provavelmente precisará de uma combinação de concepção de criação baseada em eventos, assim como contínuos processos de concepção em toda a empresa, como parte de sua estratégia geral de inovação. Entre eles:

1. A concepção de ideia baseada em eventos - Varia desde eventos de inovação em grande escala como "jams de inovação" por toda a empresa, com duração de um ou vários dias, até concursos de inovação e parcerias com laboratórios, para focar em workshops específicos de inovação, com um grupo seleto de especialistas no assunto.

2. A concepção de ideia contínua - Varia desde caixas de sugestões distribuídas na empresa e bancos de dados de inovação de diversos níveis de sofisticação, até processos de concepção mais concentrados, geralmente alinhados a comunidades estratégicas corporativas ou a ciclos de planejamento estratégico corporativo. A melhor prática em todas essas áreas é pensar nos pilares de estratégia e na finalidade, incluindo pessoas, processos, tecnologia e avanço contínuo.

3. Estratégia e finalidade - Garantir que todos os tópicos de concepção acima sejam complementares e adequados às tarefas. Estabelecer metas e objetivos claros, que definam o seu foco. É essencial uma compreensão comum e uma definição precisa dos termos em seu vocabulário de inovação. Além disso, é importante ter uma compreensão comum sobre os tipos de inovação que interessam, ou seja, modelo de negócios, tecnologia, além do nível que interessa, ou seja, ideias mais incrementadas e táticas e/ou ideias mais disruptivas e estratégicas. Dependendo de suas metas e seus objetivos, talvez você queira concentrar-se mais em um nível ou outro de inovação. É também perfeitamente aceitável concentrar-se em ambas as áreas em uma sessão de concepção, pois, em muitos casos, a meta é criar um conjunto de ideias que possam fornecer valor comercial mensurável, independentemente de serem oportunidades táticas em curto prazo ou oportunidades mais estratégicas em longo prazo.

4. Pessoas - Ao preparar uma sessão de concepção é importante direcionar-se ao público correto. Trata-se de uma abordagem rápida em que você deseja obter ideias gerais de um grande público ou uma abordagem mais detalhada, em que você pretende obter ideias específicas de especialistas? Geralmente, as principais áreas foco para a sua sessão de concepção podem ajudar a impulsionar a seleção dos especialistas internos e/ou externos apropriados. Em nossos workshops de inovação, percebemos que de 5 a 10 principais áreas de foco (ou seja, categorias para brainstorming) ajudam a definir o escopo do workshop e a impulsionar a seleção de especialistas com conhecimento em um domínio específico. Geralmente, essa seleção das principais áreas de foco ocorre antes da sessão com clientes ou stakeholders.

5. Processo - É importante perceber que a concepção da ideia é apenas a primeira etapa. Certifique-se de que há pessoas com a responsabilidade de levar as ideias para o próximo nível em termos de exploração adicional, seleção, filtragem, priorização e execução. O papel do facilitador, que conduz uma sessão ou um workshop de inovação, deve ir além de simplesmente ajudar o grupo e orientá-lo na sessão de concepção, mas deve também incluir a responsabilidade de trabalhar com os stakeholders e os indivíduos apropriados após o evento, a fim de garantir que as ideias identificadas e priorizadas na sessão possam ser utilizadas para impulsionar resultados estratégicos para a empresa. Se o escopo particular de seus facilitadores for mais restrito, ou se você estiver trabalhando com facilitadores externos, certifique-se de que sejam realizadas as sessões de hands-off apropriadas e que haja um responsável adequado após cada sessão que possa levar adiante as ideias mais promissoras.

6. Tecnologia - Embora seja comum que algumas pessoas subestimem a função da tecnologia, o fato é que as tecnologias emergentes estão fornecendo uma plataforma de base para os modelos de negócios, os processos, os produtos e os serviços da próxima geração. Talvez, pela primeira vez, de acordo com a pesquisa da PwC com CEOs deste ano, as principais tendências de transformação dos CEOs estão todas relacionadas à Tecnologia da Informação. Conforme mencionado no artigo "5 considerações para adaptar os programas de inovação para a transformação digital”, o próprio programa de inovação também deve ser transformado digitalmente. Por exemplo, pense em como o SMAC (Social, Mobile, Analytics e Cloud) pode possibilitar uma colaboração social mais forte, o acesso móvel, melhorias na lógica analítica, além de uma distribuição em nuvem ágil e econômica. Pense em como os processos de inovação podem ser reformulados para serem mais direcionados aos clientes e produzirem resultados em tempos de ciclo mais rápidos.

7. Melhoria contínua - Crie um processo de melhoria contínua e capture as práticas recomendadas aprendidas como resultado de seus processos e eventos de inovação. As práticas recomendadas podem englobar desde o pré planejamento do workshop até a sua real condução, os resultados finais após este evento e o acompanhamento. Depois de conduzir muitas sessões, você saberá exatamente quanto tempo leva para realizar as diversas formas de sessões de concepção e até mesmo quantas ideias é possível esperar receber com base na estrutura da sessão e no número de participantes. Embora a meta geralmente seja qualidade das ideias e não quantidade, ter uma estimativa antecipada do número de ideias pode ser muito benéfico, pois informará a você quanto tempo talvez seja necessário para alocar quaisquer etapas subsequentes, tais como uma votação, por exemplo. Para o progresso contínuo, também é importante avaliar os elementos certos e não tudo o que estiver ao redor de seus processos de concepção. Avalie apenas aquilo que será útil para compreender e realizar ações no futuro.

Por fim, talvez você se lembre do filme Feitiço do Tempo, em que Bill Murray acorda sempre no mesmo dia (2 de fevereiro), até o momento em que ele muda o seu comportamento. Para evitar seu próprio "feitiço do tempo para a inovação", treinamentos e cursos devem ser contínuos e disponíveis, de modo que, à medida que houver mudanças nas funções e novos funcionários forem contratados para sua organização, estes possam rapidamente ganhar impulso e compreender o vocabulário de inovação corporativa, bem como a variedade de opções disponíveis para auxiliar nos objetivos de inovação.

Ao implementar uma abordagem de concepção de ideia multimodal, com tópicos de concepção contínua e baseada em eventos, sua organização estará preparada para maximizar o potencial de inovação em seu ecossistema diversificado de funcionários, clientes, fornecedores e parceiros de um modo sistemático, sendo capaz de mobilizar sessões de concepção de ideias à medida que surgirem oportunidades.

*Nicholas D. Evans lidera o Programa Estratégico de Inovação da Unisys.