Segurança > Cibercrime

Seis passos para empresas se protegerem de ataques de ransomware

Iniciativas podem ajudar organizações a reduzir o impacto crimes de sequestro de dados, como o WannaCry, segundo a consultoria EY

18 de Maio de 2017 - 14h45

Diante dos recentes ataques do ransomware WannaCry, que tirou do ar os sistemas de centenas de milhares de empresas e serviços públicos ao redor do mundo, a EY (Ernst & Young) orienta as empresas a tomarem medidas imediatas para prevenção e mitigação do efeito desses crimes.

"A recente onda de ataques cibernéticos é uma prova de que os cibercriminosos estão se tornando mais agressivos e sofisticados visando simultaneamente o maior número de organizações. O principal aliado de um criminoso cibernético é a complacência. Seja uma grande multinacional ou uma empresa familiar, o sucesso de um ataque está associado às pessoas, tecnologias e procedimentos preventivos que são adotados e seguidos para reduzir o risco de sucesso dos invasores nestes cenários" afirma Demétrio Carrión, sócio de cibersegurança da EY.

Segundo a consultoria, há seis medidas que as organizações podem tomar imediatamente para ajudar a proteger seus dados e sistemas — os ativos mais valiosos e de seus clientes — ao mesmo tempo em que minimizam os possíveis danos causados ​​por outras ameaças:

1) Desconecte as máquinas infectadas da rede e segregue as máquinas de backup porque também podem ficar criptografados se forem conectados à rede.

2) Ative seu plano de resposta a incidentes e não trate a investigação como um mero problema ou exercício de TI. Reúna um time multifuncional na equipe de investigação, incluindo jurídico, compliance, segurança da informação, administrativo, relações públicas, recursos humanos e outros departamentos relevantes.

3) Identifique as vulnerabilidades em seu sistema. Instale atualizações de segurança, detecção de malwares e detecção de vírus para dificultar recorrências e melhorar as ferramentas de detecção e resposta para futuros ataques.

4) Certifique-se de que seus sistemas estejam corrigidos antes de reconectar os computadores. Mantenha os sistemas atualizados com um programa de gerenciamento de vulnerabilidades de alto nível. Isso deve incluir um ciclo de repetições para gerenciar vulnerabilidades com base em riscos à medida que eles evoluem e um modelo de amplo e atualizado de inventario, pontuando o nível de risco de aposição de cada item e sua conectividade com outros dispositivos.

5) Ative o plano de continuidade do negócio. Utilize como base os requisitos necessários para relatórios regulatórios, reivindicação de seguros e disputas, litígios, inteligência de ameaças e/ou notificação de clientes.

6) Colete e preserve as evidências, seguindo o rigor forense necessário, de maneira possam ser usadas em uma investigação.

"O sequestro de dados, como o feito pelo WannaCry, exige um plano de contingência e de resposta rápido. Mesmo depois que os dados são restaurados, as empresas às vezes enfrentam problemas na recuperação de informações sensíveis que foram comprometidas no ataque. Clientes, fornecedores e demais stakeholders podem exigir que a empresa demonstre de forma forense que, mesmo que os dados tenham sido acessados, nada foi perdido por completo”, alerta Carrión.

Observar a cibersegurança como prioridade do negócio, auxilia na mitigação dos riscos das empresas no ambiente digital, permitindo conhecer o nível de exposição e riscos associados e facilitar a tomada de decisão dos executivos.

“Para prevenção e segurança dos dados é recomendável que as empresas redobrem a atenção para a criação de processos maduros, principalmente para gestão de vulnerabilidade, gestão de mudança e gestão de patches, incluindo uma revisão de processos e políticas de backup, resposta a incidentes, e continuidade de negócio, além de identificar os ativos mais importantes da empresa e monitorar de forma proativa com a realização de testes do programa de segurança com exercícios de Red Team ou testes de invasão. Realize um monitoramento tempestivo de infraestrutura crítica ao negócio e planos de conscientização junto aos colaboradores e faça uma gestão estratégica de cibersegurança, com processos, pessoas e tecnologias”, conclui Carrión.