Segurança

PMEs com Windows XP enfrentam riscos de segurança

Estudo da Bitdefender revela que 8% dessas companhias ainda rodam o antigo sistema operacional, com suporte suspenso pela Microsoft.

25 de Junho de 2014 - 10h14

Uma em cada cinco pequena e média empresa (PME) ao redor do mundo está exposta a riscos de segurança por continuar usando o Windows XP após a Microsoft encerrar o suporte para o sistema operacional. A informação é parte de um estudo realizado pelo fornecedor de software antivírus Bitdefender.

A pesquisa, conduzida em vários países (incluindo Brasil, EUA, Reino Unido, Austrália, Alemanha, e Espanha), revelou que as PMEs ainda contam com o legado do sistema operacional da Microsoft, apesar das limitações de segurança. 

Milhões de ataques de malware, realizados a cada mês, têm as empresas como alvo preferencial, uma vez que os hackers são especialmente atraídos pelo roubo de dados confidenciais e pelas facilidades em tirar proveito de vulnerabilidades do sistema.

De acordo com Eduardo D´Antona, diretor da distribuidora Securisoft e da Bitdefender no Brasil, a vulnerabilidade do Windows XP é ainda mais alta no mercado brasileiro. Isso em razão de uma parte expressiva do comércio utiliza este sistema operacional em soluções de atendimento nas lojas e no controle de máquinas de captura de cartões de pagamento. 

"Essa enorme brecha de segurança representa um risco altíssimo, não só para o comerciante, mas também para a privacidade de dados dos clientes", afirma D´Antona. 

Durante o período de três meses em que durou o estudo, a empresa mais visada por hackers, na área pesquisada pela Bitdefender, foi uma agência de marketing na web, que teve de lidar com quase 800 milhões de ataques de malware. 

Mas nem só empresas de e-business estiveram no topo da lista. Outras PMEs do mundo físico foram alvo de milhões de ataques simultâneos, como uma empresa de metalurgia nos EUA, uma firma de serviços de logística no Reino Unido, uma faculdade de arquitetura na Espanha, uma empresa de varejo irlandês e uma quitanda na Austrália.

A pesquisa também mostrou que 37% dos funcionários das PMEs estão trabalhando remotamente ou a partir de casa, aumentando a tendência de emprego de mobilidade em redes empresariais (BYOD), o que amplia ainda mais os riscos de segurança. 

A propósito dessa tendência, 17% das PMEs permitem que os dispositivos móveis de propriedade do funcionário tenham pleno acesso à rede privada virtual (VPN).

O estudo foi conduzido pela Bitdefender com uma amostra de mais de cinco mil empresas em áreas como varejo, setor médico-hospitalar, educação e indústria. 

Entre as empresas pesquisadas, 53,4% migraram para o sistema mais seguro, o Windows 7 Professional. Apenas uma pequena porcentagem das PMEs analisadas estão usando outras versões do Windows, como 7 Home Premium, 7 Ultimate e Windows 8.1 Pro, enquanto alguns também instalaram produtos de servidores dedicados.