Gestão > Gestão de Equipe

Saiba como evitar burnout na sua equipe de TI

Com rotinas cada vez mais atarefadas, siga estes passos para reduzir o estresse e aumentar a produtividade

03 de Fevereiro de 2018 - 14h30

Os profissionais de TI se sentem estressados ​​e isso não é de se admirar. Cerca de 81% dos CIO acreditam que a quantidade de pressão sobre os profissionais de tecnologia é maior agora do que apenas cinco anos atrás, de acordo com uma pesquisa de 2016 que ouviu mais de 2,5 mil CIOs, realizada pela Robert Half.

Entre profissionais do setor, a pesquisa de salários de TI da Computerworld em 2017 descobriu que 46% acham que seu trabalho é estressante ou muito estressante, com 18% dizendo que seu trabalho é mais estressante este ano do que no ano anterior.

CIOs e consultores de RH dizem que os profissionais de tecnologia enfrentam longas horas e exigências intermináveis. Muitos são (formalmente ou informalmente) on-line 24 horas por dia, sete dias por semana, para responder às interrupções do sistema a qualquer hora ou ajudar os usuários a solucionar sempre que surgir a necessidade.

Os profissionais estão fazendo malabarismos com vários projetos que os usuários querem fazer "para ontem", exigindo que eles se tornem especialistas em vários domínios de TI. Ainda, devem ficar atentos para acompanhar os avanços tecnológicos em rápida evolução. "Não há sensação de conclusão no mundo da TI", diz Craig Kapper, presidente distrital da RHT na região Sudoeste dos EUA.

"[Burnout] leva ao volume de negócios e resultados ruins. Pode entrar no caminho do negócio ", diz Fred Foulkes, professor de comportamento organizacional e diretor de faculdade do Instituto de Política de Recursos Humanos da Questrom School of Business, da Universidade de Boston.

Então, o que um departamento de tecnologia deve fazer? Além das melhores práticas padrão, como programas de bem-estar patrocinados pela empresa e horários de trabalho flexíveis, essas seis estratégias podem ajudar a combater o desgaste. Confira:

1. Fique atento às horas

Andy Takacs, CTO do provedor de serviços em nuvem Zumasys, entende que os profissionais de TI são suscetíveis ao burnout por que a TI pode sentir como correr de um tipo de desastre para outro. "Isso exige que muitas pessoas atuem em níveis elevados para fazer o trabalho em um mercado competitivo", afirma.

Takacs diz que o burnout pode prejudicar a produtividade e a camaradagem entre os trabalhadores, bem como os esforços de retenção e recrutamento, pois os profissionais de tecnologia podem evitar locais de trabalho que não oferecem um bom equilíbrio entre vida pessoal e corporativa. Reconhecendo as possíveis consequências de ter trabalhadores desgastados, Takacs diz que ele e outros gerentes da Zumasys implementam políticas para conter o desgaste.

Uma dessas estratégias é monitorar as horas que os funcionários trabalham, bem como a quantidade de tempo pago fora de cada um acumulado. Takacs diz que é difícil ficar de olho nas horas, especialmente quando supervisiona quem precisa manter trabalhos difíceis até serem concluídos. Então às vezes ele tem de tomar uma posição. Takacs diz que ele e outros gerentes tiveram que encorajar as pessoas a tirar dias de folga e até mesmo informaram os funcionários que estariam dispostos a cortar o acesso ao e-mail.

Takacs recentemente adotou essa abordagem depois de notar que a equipe de suporte técnico passou por um período particularmente ocupado e mostrou menos camaradagem do que o habitual. Ele deu a cada membro um dia de férias extra que teve que ser usado durante as semanas seguintes. Em seguida, começou a trabalhar com a equipe para reestruturar as cargas de trabalho.

2. Definir metas realistas

Joel Jacobs, vice-presidente e CIO da Mitre, organização sem fins lucrativos que opera centros de pesquisa e desenvolvimento financiados pelo governo federal nos EUA, espera que os gerentes estabeleçam cronogramas realistas e requisitos para projetos de TI. Certamente, há momentos em que os gerentes devem fazer um grande impulso para fazer algo, e isso pode tornar os prazos mais apertados do que o habitual.

Mas ele diz que os gerentes reconhecem que estão pedindo alguns objetivos de prolongamento que ajudem as pessoas a entender o trabalho extra não é a norma nem uma demanda contínua.

Ele explica: "Sei que meu pessoal trabalha muitas horas, mas somos cuidadosos em reconhecer quando [um projeto] vai dar um grande impulso por um tempo limitado. As pessoas vão trabalhar muito, desde que pensem sobre o que estão trabalhando é de fato viável. Se for implacável e pouco realista, apenas os desgastará ou, se eles [verem as coisas naquela direção], irão antes que eles tenham burnout."

Líderes de TI podem encontrar tarefas moderadoras, criando cronogramas realistas e envolvendo uma comunicação honesta sobre eles difíceis de fazer, diz Mackenzie Kyle, sócio-gerente regional com sede em Vancouver para a empresa de consultoria e contabilidade MNP e autor de Making It Happen, sobre gerenciamento de projetos práticos e O Princípio do Desempenho.

As organizações de TI geralmente "têm uma configuração que recompensa os comportamentos que levam diretamente ao burnout dos trabalhadores", diz Kyle, explicando que muitos departamentos de TI executam seus funcionários em plena velocidade por longas horas para tentar fazer prazos irrealistas que, quando inevitavelmente são perdidos, desencorajam ainda mais os mesmos funcionários.

Kyle diz que os gerentes devem estabelecer alvos realistas e, em seguida, dividir os projetos em entregas ​​menores, permitindo que os trabalhadores giram ganhos a cada poucas semanas para que não sintam que estão em apuros.

3. Capacitar a equipe

Os profissionais técnicos não querem sentir que são "apenas engrenagens". Eles querem sentir que geram impacto e que têm contribuições para decisões que geram resultados. Essa é a filosofia do credor hipotecário Quicken Loans, de acordo com Teresa Wynn, vice-presidente sênior e CIO da empresa.

Wynn diz que os executivos e gerentes de TI da Quicken Loans se esforçam para capacitar os profissionais de tecnologia criando uma cultura que lhes permita assumir o controle. Princípios de gestão, como dar aos trabalhadores um grau de liberdade e apoio para perseguir suas próprias ideias ao abordar projetos, bem como programas formais como Bullet Time - período semanal de quatro horas, em que os membros da equipe de TI podem trabalhar em projetos de sua preferência - ajuda a alcançar esse objetivo, diz.

Reed A. Sheard, vice-presidente e CIO do Westmont College, adota abordagem similar. Ele diz que também entende que os trabalhadores que se sentem capacitados em seus empregos e carreiras são menos propensos a terem burnout. Por isso, apoia uma cultura de aprendizagem contínua, em que os funcionários têm a oportunidade de explorar novas tecnologias que possam ajudá-los a crescer profissionalmente.

4. Afaste-se das tarefas diárias

Um veterano do time de Jacobs, em Mitre, teve a oportunidade de passar parte de seu dia de trabalho por vários meses aprendendo sobre near-field communication (NFC) – algo que não fazia parte das suas atividades regulares.

"Ficar em uma atividade por muito tempo é cansativo", diz Jacobs. "Mover as pessoas de um projeto para outro realmente atualiza as pessoas, e quando elas retornam para onde estavam, elas têm uma perspectiva diferente.”

Jacobs diz que seus colaboradores têm várias maneiras de mudar suas rotinas. Eles podem procurar novas posições na Mitre, trabalhar temporariamente em outras divisões quando as necessidades surgem, ou propor novas formas de trabalho nas suas responsabilidades existentes, se eles veem maneiras de aumentar a eficiência ou maior capacidade desses processos.

"É realmente fazer com que as pessoas pensem sobre onde elas podem obter mais resultados", diz, acrescentando que as oportunidades de incentivo onde os funcionários saem das rotinas normais são boas para o psicológico dos funcionários, bem como para a organização como um todo. "Uma empresa que inspira a TI, juntamente com o resto da companhia certamente registrará muitas vantagens”.

5. Crie uma cultura positiva

Kapper, gerente da RHT, diz que trabalhou em uma empresa que tinha cerca de 600 funcionários em seu help desk. Nesse time, o turnover era altíssimo, com profissionais informando nas pesquisas de demissão que não se sentiam confortáveis na área.

A empresa procurou melhorar sua cultura, de acordo com Kapper. Os gerentes aumentaram o reconhecimento das realizações dos profissionais e patrocinaram eventos leves, como almoços com DJs para dar aos colaboradores uma pausa durante o almoço. Além disso, eles introduziram horários de trabalho flexíveis e oportunidades de home office.

"É um exemplo do que uma empresa pode fazer. Agora, esses talentos querem trabalhar lá porque ele se tornou um ótimo lugar para estar", diz Kapper.

Baskaran Ambalavanan, ex-gerente sênior de RH do escritório de advocacia Sheppard Mullin Richter & Hampton, diz que vários programas-chave podem ajudar as organizações a combater a fuga de funcionários, incluindo horários flexíveis, opções de trabalho remotas, treinamento e um ambiente de apoio que inclui elementos de diversão.

6. Mude o curso das coisas quando necessário

Chris Caruso, vice-presidente de TI da PPG Industries, fornecedor global de tintas, revestimentos e outros materiais, diz que os profissionais de TI se veem diante de um volume gigantesco de trabalho. Ainda assim, ele reconhece que há mais interesse e demanda em recursos de TI.

Para mitigar o excesso de trabalho, a empresa adota uma estratégia interessante. "Temos processos regulares em TI para identificar talentos e sucessões na organização, e uma das atividades que fazemos é identificar qualquer risco associado ao indivíduo - eles estão sobrecarregados, eles estão na posição ideal para se desenvolver em sua carreira? Nós administramos ativamente essas situações para descobrir o que elas precisam", diz Caruso.

Essa abordagem permite que os gestores tomem medidas, caso identifiquem que alguém, por qualquer motivo, sofre pressão indevida, diz Caruso, explicando que os líderes formulam uma abordagem baseada no indivíduo e em sua situação. Os líderes da empresa podem atribuir um mentor para fornecer orientações para um talento em dificuldades ou atribuir tarefas que oferecem novos desafios ou energia para um talento que se sente preso em uma moagem.

Essa é uma estratégia que outros CIOs e consultores de RH também recomendam. Sheard, por exemplo, diz que recentemente teve uma conversa sincera com um funcionário estrela que estava com excesso de trabalho, lembrando-lhe que o trabalho extra logo acabaria e mudanças seriam implementadas, como elevar sua posição na organização para abordar questões relacionadas ao longo prazo - passos que ajudaram a evitar uma crise maior. "Comunicação e reconhecimento fazem a diferença", finaliza.