Segurança > Segurança de Dados

Risco cibernético é a principal preocupação da indústria de aviação, aponta pesquisa

Especialistas temem que ciberterroristas possam ameaçar a segurança de aeronaves. A chance de uma empresa do setor ser atacada neste ano é de 69%, indica pesquisa da Aon

09 de Agosto de 2017 - 12h22

O avanço dos controles digitais em diversas indústrias tem gerado preocupação entre as empresas devido a possibilidade de ataques cibernéticos. E o setor de aviação é um dos mais vulneráveis. De acordo com pesquisa realizada pela consultoria e corretora de seguros Aon, neste ano, o risco dessa indústria de sofrer ataques cibernéticos subiu para 69%. Na pesquisa anterior, realizada em 2015, essa probabilidade era de 54%.

Hoje, o risco de uma ciberataque é a principal preocupação dos executivos em companhias de transporte aéreo de cargas e passageiros. Em segundo lugar, está o risco de interrupção dos negócios, seguido pelo risco de grandes falhas em projetos.

De acordo com Mauricio Bandeira, gerente de produtos financeiros da Aon, o crescimento da percepção do risco está diretamente relacionado ao desenvolvimento tecnológico constante e ao aprimoramento das técnicas dos criminosos.

“Com o avanço dos controles digitais dos sistemas, os hackers têm a possibilidade de causar danos cada vez maiores, a distância”, explica Bandeira. “No setor de aviação, o medo dos executivos, controladores de voo e pilotos é que ciberterroristas possam ameaçar todo o sistema e paralisar as operações das empresas”, completa.

No ano passado, o gasto médio por incidente chegou a US$ 9,5 milhões, um crescimento de 24% na comparação com 2015. Um estudo de 2016 da European Aviation Security Agency mostra que o setor de aviação sofre cerca de mil ataques cibernéticos por mês.

Por isso, de acordo com a pesquisa da Aon, 57% das empresas na indústria de aviação já possuem ou pretendem contratar nos próximos três anos uma apólice de seguros contra risco cibernético.

Enquanto o risco aumenta, a preparação do setor para lidar com ele também vem crescendo. Em 2015, o nível de resposta da indústria de aviação ao risco cibernético era de 60%. Neste ano, é de 66%. Dessa forma, as perdas de receita relacionadas ao risco também caíram: de 28%, em 2015, para 18%, em 2017.

Com uma melhor preparação para lidar com o risco cibernético, a expectativa dos empresários do setor é que, nos próximos anos, ele não esteja mais no topo das preocupações. “A previsão dos executivos de aviação é que o risco cibernético desça para a terceira colocação em um período de três anos”, diz Maurício Bandeira.

Isso não significa que o número de ataques cibernéticos irá diminuir, mas que a indústria estará mais preparada para lidar com suas consequências. “Muitas empresas do setor já possuem seguros para mitigar o risco financeiro relacionado a ataques cibernéticos. Mesmo assim, é preocupante que 43% delas não tenham essa proteção e não pretendam contratar”, alerta Bandeira.

Em maio deste ano, um vírus ransomware WannaCry atingiu sistemas de computação em 179 países do mundo. Entre as afetadas, estavam também empresas do setor de aviação. Nesse caso, os hackers se aproveitaram da vulnerabilidade de redes desatualizadas para criptografar dados de computadores e cobrar resgates em troca da liberação.

Mais tarde, em junho, um novo vírus, o Petya, também teve repercussão mundial. Alguns dos danos mais graves foram registrados na Ucrânia. O Aeroporto Internacional de Kiev, Boryspil, foi um dos atacados. A princípio, as autoridades imaginavam que se tratava da mesma modalidade de crime, mas depois descobriram que o vírus, na verdade, era um wiper, malware que tem o objetivo de provocar a destruição do acesso a computadores sem nem mesmo exigir nenhum resgate.

O especialista da Aon observa que, embora seja improvável para que esses ataques deixem de ocorrer, as empresas brasileiras em geral ainda não estão totalmente conscientes do alto risco a que estão expostas. Um estudo da Lloyd’s aponta que São Paulo é a terceira cidade do mundo mais vulnerável ao risco cibernético, atrás apenas de Nova York e Los Angeles, a frente até mesmo de Paris e Londres.