Gestão > Estratégia, Gestão de Projetos, Governança

Responda honestamente: DevOps é utopia ou realidade nas áreas de TI?

Para que conceito se torne realidade, é preciso suspender os julgamentos entre os envolvidos e colocar o negócio da empresa em primeiro lugar

12 de Janeiro de 2016 - 11h12

Ter equipes de desenvolvimento e infraestrutura 100% engajadas para conseguir dar respostas rápidas às mudanças do mercado e aos problemas é o ideal. E esse tem sido o alvo constante das equipes de TI das empresas de diversos segmento, certo?

Só que para fazer DevOps de corpo e alma, em primeiro lugar, precisamos analisar e entender alguns perfis:

1. O desenvolvedor

Em sua maioria, tem sempre um perfil dinâmico, arrojado e que gosta de testar coisas novas no ambiente. Será que todo dev quer acessar os ambientes de produção e ter que resolver problemas do cotidiano?

Outro dia, conversando com colegas da área de TI, um desenvolvedor falou que não gosta de ter acesso à produção. Ele acredita que quando se tem esse acesso, todos acham que ele tem a obrigação de corrigir qualquer tipo de problema ou no mínimo analisar. Faz sentido, certo? Com acesso em um ambiente de produção, com todo o risco de segurança envolvido, o dev deveria se responsabilizar pelo ambiente e erros que podem ocorrer, sendo proveniente de alterações realizadas pelo mesmo ou não.

Esse mesmo desenvolvedor concluiu: Gosto é de desenvolver, pensar em coisas novas e não reiniciar serviço, analisar o porque está lento.

2. O cara de infraestrutura

Tem um perfil mais pragmático. É cobrado por disponibilidade, desempenho e segurança. Por isso receia dar acessos ao ambiente de produção para os desenvolvedores ou parceiros de trabalho.

Analisando esses dois tipos de perfis, vejo que fazer DevOps está muito além de processos, metodologias ou crenças. Para que essa utopia se torne realidade, é preciso suspender todos os julgamentos entre os envolvidos e colocar o negócio da empresa em primeiro lugar.

Está na essência e no perfil do desenvolvedor ser inovador e colocar suas aplicações em produção, assim como, esta no perfil do profissional de infraestrutura ser receoso quanto aos acessos e novas versões a serem lançadas.

É normal, quando um problema ocorre, um jogo de empurra entre dev e infra. Penso que nem sempre a falha é proveniente da falta de recursos ou de infraestrutura. Um software mal implementado pode gerar consequências danosas. Mas se as equipes ficarem jogando o problema de um lado para o outro, a resolução demorará mais.

O envolvimento de corpo e alma, tanto por parte dos desenvolvedores quanto do pessoal de infraestrutura é a parte mais interessante do DevOps. As duas áreas devem analisar o problema, se escutar, discutir soluções, tudo em alto nível. Ganha é a equipe de TI e, consequentemente, o negócio. E nem sempre isso é fácil. Os debates podem ferir os princípios de ambos. Mas contribuem muito para o desenvolvimento e crescimento profissional.

DevOps é constituído de cultura, pessoas, respeito não apenas de acessos, ferramentas de automação, deploy contínuo, etc.

*Eduardo Ximenes Soares é Gerente de TI do iFood.com.br