Negócios > Hardware

Remessas mundiais de PCs têm queda de 3,6% no terceiro trimestre, indica pesquisa

Promoções tradicionais, como as vendas de volta às aulas, já não são um fator de crescimento efetivo, revela levantamento do Gartner

16 de Outubro de 2017 - 19h11

As remessas mundiais de PCs totalizaram 67 milhões de unidades no terceiro trimestre deste ano, o que representa uma queda de 3,6% em relação a igual período de 2016, de acordo com dados do Gartner. Este é o 12º trimestre consecutivo de declínio de embarques de PCs conforme resultados preliminares de pesquisa que será anunciada durante o Gartner Symposium/ITxpo, que acontece em São Paulo na próxima semana.

"Apesar dos sinais de estabilização na indústria de PCs em regiões-chave, incluindo Europa, Japão e América Latina, os resultados relativamente estáveis foram anulados pelo mercado norte-americano, que registrou queda de 10% em relação ao ano anterior por causa de uma temporada de vendas de volta às aulas muito fraca", afirma Mika Kitagawa, analista do Gartner.

A demanda de negócios de PCs, liderada por atualizações do Windows 10, continuou a gerar remessas de equipamentos em todas as regiões, mas seu cronograma de atualização varia de acordo com cada região. "Os países com economias estáveis, como os Estados Unidos, criaram um sentimento positivo entre as empresas, especialmente para pequenas e médias empresas (PMEs), que são mais vulneráveis a eventos externos, como econômicos ou políticos", diz.

Há escassez contínua de componentes, como memória DRAM  – microprocessador usado em computadores – em particular, piorando durante o terceiro trimestre do ano em comparação com o primeiro semestre de 2017. "O aumento dos preços das peças impactou o mercado de consumo de PCs, já que a maioria dos vendedores geralmente repassa o aumento de preços para os consumidores, ao invés de absorver o próprio custo. A escassez de memória deve continuar até o final de 2018, mas não refletirá nos preços finais de PCs neste momento", afirma Mika.

No terceiro trimestre, a HP Inc. e a Lenovo estavam em um empate virtual em primeiro lugar no mercado de PCs com base nas remessas. No entanto, a HP Inc. mantém tendência ascendente, já que experimentou cinco trimestres consecutivos de crescimento global de PCs, enquanto a Lenovo está em uma tendência descendente, com queda das remessas em oito dos últimos dez trimestres.

A HP Inc. experimentou crescimento em todas as regiões-chave, exceto no mercado norte-americano. A empresa teve crescimento de dois dígitos na América Latina, enquanto na Ásia, obteve aumento positivo pelo quinto trimestre consecutivo. A Lenovo experimentou o maior declínio ano a ano nas vendas de PCs nos Estados Unidos, uma vez que adquiriu a divisão de negócios de PCs da IBM em 2005. A Lenovo continua enfrentando o dilema de ganhos de participação de mercado versus rentabilidade. Parece que a empresa está colocando mais ênfase na lucratividade do que no ganho com ações. As remessas mundiais de computadores da Dell foram ligeiramente baixas em comparação com o ano anterior, já que registrou seu primeiro declínio de remessas ano-a-ano desde o primeiro trimestre de 2016.

Nos EUA, as vendas de PCs totalizaram 14,7 milhões de unidades no terceiro trimestre de 2017, um declínio de 10,3% em relação ao terceiro trimestre de 2016. Foi o quarto trimestre consecutivo de declínio nas remessas do setor.

"A baixa venda das promoções de volta às aulas tornou ainda mais evidente que os fatores de demanda de tradicionais consumidores de PCs não são mais efetivos. A demanda do PC para negócios é estável nos EUA, mas pode diminuir sua velocidade entre as pequenas e médias empresas devido ao aumento de preços do PC pela falta de componente", explica Mika.

As remessas de PCs na Europa totalizaram 19 milhões de unidades no terceiro trimestre de 2017, uma queda de 1,1% em relação ao ano anterior. A contração no mercado de PCs da Europa Ocidental desacelerou, com a expectativa de potencial estabilidade no quarto trimestre de 2017. A Europa Oriental experimentou pequenos e baixos declínios de unidades uma vez que a demanda por PCs não está melhorando e não há impacto atual da migração do Windows 10 no segmento de negócios.

Na Ásia/Pacífico, as vendas de PCs atingiram 24 milhões de unidades no terceiro trimestre de 2017, queda de 2,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Embora a demanda do consumidor permaneça apagada, a demanda de PCs no segmento de negócios permaneceu estável, especialmente para notebooks. Na China, estima-se que o mercado de PCs tenha diminuído 5% no terceiro trimestre de 2017, com maior estabilidade no mercado de negócios, em particular mais nas grandes empresas do que no espaço do consumidor.