Negócios > Estratégia

Relembre os principais IPOs de tecnologia do primeiro semestre de 2018

Lista inclui empresas como Avast e DocuSign. Saiba quais foram os maiores IPOs do ano até o momento

10 de Julho de 2018 - 11h28

Ofertas públicas iniciais (IPOs) são feitas quando uma empresa privada oferece suas ações em uma bolsa pública pela primeira vez. Eles proporcionam à companhia liquidez imediata, publicidade e, muitas vezes, um retorno para funcionários e investidores iniciais.

O mercado de IPO de tecnologia se recuperou um pouco em 2017, após um ano ruim em 2016. A consequência foi uma série de IPOs esperadas no início de 2018, incluindo Spotify e Dropbox.

Conheça alguns dos maiores IPOs de tecnologia do ano até o momento.

1. Domo - Junho

A empresa de análise de dados baseada em Utah, fundada por Josh James - que vendeu a empresa de análise da Web Omniture para a Adobe em 2009 por US$ 1,8 bilhão - teve um período um pouco mais instável do que muitas empresas nessa lista.

Apesar de as ações terem subido 30% em sua estreia, a empresa avaliava as ações dentro do intervalo em US$ 21, enquanto a maioria dos IPOs de tecnologia do ano tem preço alto ou até mesmo acima do intervalo. Isso deu à empresa uma capitalização de mercado de cerca de US$ 700 milhões, que é bem inferior à sua avaliação do mercado privado, de US$ 2 bilhões.

Domo admitiu em seu arquivamento pré-IPO SEC que estava ficando sem dinheiro, por isso esta injeção foi muito necessária, ainda que tenha reduzido seu valor.

2. Adyen - Junho

A fintech holandesa Adyen viu as ações subirem quase 90% no primeiro dia de negociação na bolsa Euronext Amsterdam.

Assim que se tornou um dos maiores IPOs europeus de tecnologia no ano passado, a empresa de pagamentos viu as ações chegarem a € 400 inicialmente, um aumento de 66% em relação aos seus preços de € 240. As ações terminaram o dia em € 440, valorizando a companhia em € 13,4 bilhões.

A Adyen tinha inicialmente fixado o preço de suas ações na ponta mais alta da escala em € 240, dando à empresa uma avaliação de € 7,1 bilhões. Ela não estava emitindo novas ações, permitindo que os acionistas existentes vendessem suas ações.

3. Pluralsight - Maio

A Pluralsight teve um grande dia de abertura na bolsa de valores Nasdaq, com as ações fechando em US$ 20,34% acima do preço de lista, de US$ 15. A empresa levantou US$ 311 milhões em uma avaliação de cerca de US$ 2 bilhões.

A companhia construiu uma plataforma de ensino on-line para habilidades digitais, que vai desde linguagens de programação até conjuntos de software específicos como o Adobe. Ela conta com uma ampla rede de autores especialistas para contribuir com conteúdo e cursos para a plataforma, com os melhores autores capazes de ganhar milhões de dólares por ano.

4. Avast - Maio

A Avast Software iniciou a negociação condicional na Bolsa de Valores de Londres, uma rara estreia tecnológica no mercado da cidade. A empresa tcheca classificou o valor mínimo das ações a £ 2,50.

A empresa conseguiu £ 148 milhões, valorizando-se em £ 2,4 bilhões, tornando-se a maior flutuante em Londres em 2018 e um dos maiores IPOs europeus de todos os tempos.

O fornecedor de segurança on-line opera em um mercado competitivo, com a McAfee, Symatec e Sophos oferecendo soluções rivais. A companhia reportou receitas ajustadas de US$ 780 milhões em 2017 e lucros de caixa ajustados antes de juros, impostos, depreciação e amortização de US$ 451 milhões.

5. DocuSign - Abril

A DocuSign fechou seu primeiro dia de negociação a US$ 39,96, quase 38% acima do preço do IPO de US$ 29. Isso valorizou a empresa em US$ 6 bilhões, o dobro da última avaliação após uma rodada de investimentos de US$ 233 milhões, em 2015.

O fornecedor é especializado em software de assinatura eletrônica, que é vendido como serviço. Ele permite que as organizações facilitem a assinatura eletrônica da papelada, possibilitando a autenticação e troca de documentos eletrônicos.

A DocuSign registrou receita de 36% em relação ao ano anterior, para mais de US$ 518 milhões em 2017, com uma perda anual de cerca de US$ 50 milhões.

>Siga a Computerworld Brasil também no Twitter Facebook