Tecnologia > Internet das Coisas, Manufatura

Projetos de IoT aparecem no radar de 30% das empresas de manufatura

Pesquisa da Infor aponta que empresas buscam o conceito para ampliar produtividade e encontrar novas fontes de renda

25 de Novembro de 2015 - 17h55

A Internet das Coisas ganha tração no mercado. O conceito, porém, ainda aparece de forma tímida nas estratégias corporativas. De acordo com um estudo encomendado pela Infor, apenas 10% das empresas do setor de manufatura já contam com algum projeto de IoT.

Contudo, há uma expectativa de aceleração nos próximos 12 meses, quando 22% das empresas consultadas pretendem partir para uma iniciativa atrelada ao conceito. Além disso, segundo o levantamento, mais de 38% dos respondentes afirmam estar investigando o potencial desse investimento.

A pesquisa, realizada em 12 países diferentes (entre eles Estados Unidos, Reino Unido, França, Itália, China e Índia) também revela que a IoT é a prioridade de negócios mais importante para um em cada dez fabricantes ao redor do mundo. Além disso, 28% dos consultados colocam essa tendência entre suas três principais prioridades.

“Ainda que a pesquisa não tenha se realizado na América Latina, é uma tendência que se refletirá em breve em nossa região”, afirma Paulo Padrão, vice-presidente de vendas da Infor para a região.

Novas oportunidades de faturamento baseadas na monetização da informação estão entre os principais benefícios vistos na IoT. No entanto, a maioria (55%) das empresas pesquisadas veem a economia de custos – com a maior eficiência operacional – como a grande oportunidade associada à implantação do conceito.

Segundo o levantamento, um terço dos entrevistados, por sua vez, enxerga como principal benefício, a vantagem competitiva conquistada com a renda adicional vinda de novos serviços.

Entre os benefícios específicos apontados pela pesquisa, estão produtividade (20%), seguido por melhores insights e tomada de decisões (15%), melhor utilização dos equipamentos e maquinários (15%), novos serviços (11%) e novas fontes de renda (13%).

Barreiras

A pesquisa da Infor também identificou os entraves e desafios para a adesão à IoT. Não saber quem será o responsável pelo projeto dentro das empresas, por exemplo, é um impedimento para sua adoção.

Os entrevistados citaram um total de nove diferentes funções e ou áreas como responsáveis pela execução do projeto. Entre estas estão o time executivo (31%), TI (28%), marketing (5%), operações de produção (13%) e facilities (6%). Quando questionados sobre os desafios da implementação, os participantes apontaram, principalmente, carência de habilidades, falta de clareza dos benefícios e custos.

Desafiadas pela necessidade constante de otimizar a produtividade, as empresas adquirem uma vantagem competitiva com a utilização de tecnologias IoT. “Essa pesquisa confirma que mais da metade dos fabricantes reconhecem esse potencial e estão desenvolvendo projetos piloto ou investigando ativamente o uso de IoT”, destaca Padrão.

“Esperamos que mais projetos piloto evoluam para implantações em produção nos próximos 18 meses – enviando uma mensagem de alerta aos 43% dos entrevistados que ainda estão reconhecendo o valor da IoT”, afirma.