Carreira

Processo seletivo: como se preparar para entrevistas com RH e gestores

Saiba quais são as principais diferenças e como se preparar para cada uma das fases

12 de Julho de 2018 - 08h35

Entrevistas com o RH e com os gestores são duas das fases mais temidas por candidatos durante processos seletivos. Como essas entrevistas têm focos completamente diferentes, o profissional precisa se preparar de acordo com o interlocutor para ter bom desempenho nas duas etapas.

A Randstad, fornecedora global de soluções de Recursos Humanos, explica as principais diferenças e como se preparar para cada uma das fases.

Entrevista com o RH

Em geral, a primeira conversa é com um especialista em RH, que costuma fazer perguntas mais generalistas, abordando tópicos como pretensão salarial, experiências anteriores e perfil. “A conversa com o RH é 80% focada em entender o comportamento do profissional. Outros 20% serão para entender suas habilidades, expectativas para a vaga e uma ou outra questão mais técnica”, explica Letícia Krauskopf, gerente da Randstad Professionals.

Para o candidato, a principal dica é se preparar definindo claramente seus pontos fortes e fracos, tanto tecnicamente quanto no quesito comportamental. “Tente se lembrar de vivências que reforcem o que você deseja mostrar sobre você. Pode ser uma situação difícil em que você liderou a solução ou outros exemplos que demonstrem seu perfil no trabalho”, explica Letícia. Falar sobre experiências que demonstrem as qualidades buscadas para a posição e exemplos de sua personalidade também são bem-vindos. “Caso o profissional tenha feito algum teste de aptidão ou psicológico, pode ser uma boa ferramenta comentar os resultados durante a conversa”, complementa a especialista.

Entrevista com o gestor

Passada a primeira etapa, a entrevista seguinte tem outro foco. “O gestor direto da área estará 80% focado no perfil técnico do candidato e em entender se ele está pronto para os desafios específicos da posição em questão”, esclarece Letícia. O entrevistador irá questionar sobre experiências profissionais anteriores e analisar se o profissional é adequado e qualificado tecnicamente para a vaga. “Uma pequena parte da conversa será para entender o perfil comportamental, mas com o intuito de identificar se o profissional é compatível com o restante da equipe”, explica.

Para chegar ao momento da conversa bem preparado, é importante relembrar cases de sucesso e explicar o papel que desempenhou neles. É imprescindível demonstrar a especialidade na área e como está apto a entregar os resultados nesse novo desafio.

“De forma geral, uma conversa será muito mais técnica que a outra. Porém, seja flexível e esteja disposto e preparado para falar sobre outros temas e a responder perguntas que fujam desse padrão”, completa Letícia.

>Siga a Computerworld Brasil também no Twitter Facebook