Segurança > Cibercrime

Perda financeira deve chegar a cerca de US$ 580 por incidente de segurança em 2018

Estudo GSISS 2018, realizado pela PwC e os sites CIO e CSO, mostra que as perdas devem subir 58%, na média, em 2018 em relação a este ano, quando o custo chegou a US$ 501 por incidente de segurança

05 de Dezembro de 2017 - 13h25

Quase 60% dos líderes de segurança (CISOs) dizem que a digitalização aumentou os gastos com segurança da informação. Isso porque muitas organizações decidiram se antecipar na prevenção a ataques cibernéticos a seus sistemas de automação/robótica. A constatação é do estudo 2018 Global State of Information Security Survey (GSISS), realizado conjuntamente pela PwC e os sites CIO e CSO para compreender como as práticas e incidentes de segurança estão impactando as empresas.

O relatório observa que, à medida que os negócios digitais continuam a crescer, as organizações estão sendo obrigadas a adotar medidas de choque contra ciberataques. “Além de investir em ferramentas de segurança, elas estão se concentrando em formas de melhorar a colaboração entre negócios, TI e digital, ao mesmo tempo em que buscam aumentar o envolvimento dos líderes no desenvolvimento de uma cultura de gerenciamento de risco cibernético”, diz o documento.

O estudo revela que o número de incidentes de segurança continua a cair, juntamente com a média de perda financeira. A queda do número de incidentes de segurança neste ano em relação a 2016 foi de cerca de 30%, de 6,85 milhões para 4,78 milhões. A tendência é que em 2018 reduza ainda mais, cerca de 27%, para 3,45 milhões.

No entanto, a perda financeira por incidente continua a subir. De 2016 para este ano, a alta foi de aproximadamente 37%, de US$ 364 para US$ 501 por incidente. E a perspectiva é que cresça ainda mais em 2018, 58% em média, para US$ 578 por incidente (veja infográfico abaixo).

Em relação ao envolvimento da alta gestão das organizações, o dado é bastante alarmante. Apenas 44% dos entrevistados disseram que o conselho corporativo de suas companhias participa ativamente da estratégia geral de segurança. “Esta é uma oportunidade perdida, já que o CISO deve destacar as insuficiências em relação à segurança para que o conselho possa responder melhor às suas responsabilidades”, cita o relatório.

Ainda de acordo com o levantamento, durante o ano passado, as organizações acreditavam que as principais fontes de incidentes de segurança eram os funcionários (30%), ex-funcionários (27%) e hackers (23%). Os principais impactos incluíram os registros de clientes e empregados e a perda ou dano de registros internos.

O dado positivo é que muitas empresas já estão se adequando para atender os requisitos da Regulamentação Geral de Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia. De acordo com o levantamento apenas 14% das organizações ainda não começaram a se preparar para o GDPR. O estudo também constatou que, a fim de reduzir a exposição ao GDPR, as organizações que tinham seus data centers centralizados na Europa estão desabilitando seus dados e reduzindo a presença no continente.