Mobilidade > Aplicativos, Mídias Sociais, Programação

O Facebook decidiu descontinuar a ferramenta Parse. E agora?

Aposentadoria da plataforma foi anunciada em 28 de janeiro. Encerramento da Parse será gradativo até se completar em 28 de janeiro de 2017

29 de Fevereiro de 2016 - 18h56

O Facebook acaba de anunciar a descontinuação da ferramenta de desenvolvimento Parse (veja post no blog oficial), usada para a geração de aplicativos de rede social e que foi por ele adquirida há cerca de três anos. O processo de descontinuação vai durar um ano, a contar de 28 de janeiro de 2016. Com isto muitos desenvolvedores ao redor do mundo estão se perguntando como encontrar uma alternativa na qual eles possam confiar e que oferece garantia de disponibilidade ao longo de um período considerável de tempo.

Aqueles que confiaram na Parse para desenvolver seus produtos e, consequentemente, seu sustento, agora enfrentam a desagradável tarefa de ter que migrar seus dados para uma nova ferramenta. Para alguns, provavelmente, essa não é a primeira vez que isso acontece, já que outras ferramentas para desenvolvedores estiveram na moda antes, mas agora desapareceram.

Por que isso continua acontecendo?

A Parse era de propriedade de uma empresa enorme e popular, o Facebook, dando a impressão de ser ao mesmo tempo uma empresa competitiva e estável, o que contribui para tornar essa notícia um choque.

Mas o Facebook, em sua essência, não constrói ferramentas para desenvolvedores. Ou seja, este não é seu modelo de negócio e nunca foi. O Facebook é muito bem-sucedido no que faz - veiculação de anúncios- e uma vez que a Parse já não contribuía para esse objetivo, eles não tinham nenhuma obrigação de mantê-la.

Como encontrar uma ferramenta na qual se pode confiar?

Com a descontinuação do serviço, os desenvolvedores terão um ano para migrar seus aplicativos para outros servidores, com a possibilidade de alavancar a ferramenta de transferência de base de dados Parse para poder migrar seus dados para qualquer banco de dados MongoDB.

Ainda que um considerável número de novas ferramentas de marcas conhecidas disponibilize diversos recursos, às vezes é necessário pensar sobre a filosofia maior por trás disso tudo. Em uma empresa cujo modelo de negócios gira em torno de servir o usuário (o desenvolvedor), seu coração e alma estarão direcionados para esta ferramenta.

E se a ferramenta não estiver de acordo com as necessidades do desenvolvedor, a empresa ofertante não vai simplesmente descartá-la, mas vai aperfeiçoá-la para ajudar o usuário na criação de aplicações atraentes e lucrativas. Ou seja, por ser uma ferramenta feita para você, profissional de desenvolvimento, estes aperfeiçoamentos ou adaptações seguirão as exigências do seu negócio e não as do negócio desse fornecedor, que não está focado em faturar no mercado de aplicações.

Você, desenvolvedor, precisa escolher um provedor de tecnologia, cujo objetivo central seja exatamente conquistar a sua confiança e ajudá-lo a ter sucesso, porque ele só ganha se você também ganhar.

Se você está entre aqueles milhares que vinham construindo aplicações via Parse, uma boa alternativa é migrar seu trabalho para ferramentas de empresas 100% focadas em criar tecnologias de desenvolvimento e que ofereçam opções flexíveis de plataformas, modelos de entrega e liberdade de escolha de frameworks.

Ferramentas profissionais (entre elas o Telerik Platform e NativeScript, da Progress) oferecem ao desenvolvedor a garantia de estabilidade e de continuidade a longo prazo, que é um importante alicerce para o futuro dos negócios de quem vive de produzir aplicações de software.

Burke Holland é Diretor de Relações com Desenvolvedores da Progress