Segurança > Cibercrime

Número de acessos a sites piratas cresce mais de 71% no mundo, aponta pesquisa

Transmissões esportivas ao vivo são o principal alvo dos serviços de pirataria, indica pesquisa da Irdeto

29 de Novembro de 2017 - 18h07

A crescente disponibilidade, velocidade e acessibilidade constante da banda larga em todo o mundo, facilita a ação de piratas que buscam roubar conteúdo de alto valor. A conclusão é de um estudo da Irdeto, fornecedora de soluções de segurança para plataformas digitais, que constatou o crescimento vertiginoso nos serviços de pirataria oferecidos online.

Uma das fontes que mais alimentam a pirataria são as redes sociais e a transmissão online (streaming) de eventos esportivos.  Para a Irdeto, combater a pirataria torna-se imperativo não só pelos conteúdos licenciados a serem preservados, mas também por tratar-se de um negócio que movimenta milhões de dólares na ilegalidade.

Veja, a seguir, alguns dados alarmantes da pesquisa:

. Aumento de 71,4% na visita de sites de pirataria relacionados ao esporte, isso representa um número de 143.064.407 acessos em abril de 2016, para 245.257,906 em maio de 2017.

. Em 27 jogos nacionais de futebol, foram 635 transmissões ao vivo e links de direcionamento para outros sites piratas.

. Em agosto de 2017, a luta de boxe mais esperada do ano Mayweather versus McGregor, registrou 239 transmissões piratas, estimando aproximadamente 2.930.598 expectadores.

. As redes sociais mais populares utilizadas pelos piratas foram: RedDit, 34,8%; Twitter, 33,2%, e Facebook, 27,9%. 

. Uma partida de futebol do Barcelona versus Real Madrid, constou 700 mil views em uma transmissão pirata ancorada ao Facebook.

. O impacto das transmissões piratas causou uma forte reação na Austrália em fevereiro deste ano, a Foxtel, um conglomerado de mídia Australiana, informou que acionaria na justiça todos aqueles que transmitiram ilegalmente a luta de boxe Danny Green versus Mundine, cujo os direitos exclusivos pertenciam a Foxtel. Um dos sites piratas que realizaram a transmissão registrou uma audiência de 100 mil fãs assistindo ao vivo a luta.

. Uma pesquisa global recente, conduzida por Irdeto e YouGov, com mais de 25 mil adultos em 30 países, descobriu-se que 52% dos consumidores em todo o mundo observam conteúdo pirateado. Muitos disseram não saber que tanto fornecer conteúdo de vídeo pirateado quanto assistir é ilegal.