Telecom > Banda Larga

No Acre, Internet para Todos terá primeiras antenas instaladas em junho

Kassab anuncia chegada do programa à fronteira brasileira com o Peru

02 de Abril de 2018 - 12h32

"Nem todos os estados brasileiros poderão contar com resultados tão expressivos do Internet para Todos quanto o Acre. Só aqui em Cruzeiro do Sul, 39 localidades serão beneficiadas", A afirmação é de Gilberto Kassab, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, durante anúncio da adesão de todos os 22 municípios do Acre ao programa Internet para Todos, que vai levar banda larga para localidades sem conectividade, além de beneficiar escolas, hospitais e postos de saúde.

Segundo Kassab, as antenas para distribuição do sinal de internet começam a ser instaladas no Estado em junho.

Para Fernando Katukina, da terra indígena Campinas, a comunicação em Cruzeiro do Sul (AC) depende de tecnologia. “Internet e telefonia são importantes não só para a saúde indígena, mas também para termos acesso à educação e à informação. Comunicação para nós indígenas precisa contar com tecnologia”, disse.

O programa

O programa começou em maio de 2017, com o lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), de propriedade do governo brasileiro e que recebeu R$ 3 bilhões em investimentos.

A partir daí, foram firmados convênios para a utilização da capacidade do satélite: com o Ministério da Defesa, para garantir o monitoramento de 100% das fronteiras brasileiras, ampliando as ações de combate ao contrabando e ao tráfico de armas e drogas; com o Ministério da Educação, para levar banda larga para todas as escolas públicas do país; e com o Ministério da Saúde, para implantar internet em unidades de saúde.

“Já na semana que vem começaremos a implantar banda larga em 28 escolas de Pacaraima, em Roraima, e até o fim do ano serão 7 mil escolas beneficiadas”, informou o ministro, que ressaltou ainda a importância do Internet para Todos para a gestão de hospitais e postos de saúde. “Aqui no Acre, um médico com acesso a banda larga vai poder compartilhar diagnóstico com médico em qualquer outro estado, melhorando a qualidade do atendimento. Além disso, o programa permite a adoção do prontuário eletrônico e a fiscalização da gestão com muito mais eficiência.”

*Com informações do MCTIC