Negócios

Varejo online atinge volume de R$ 13,3 bi em 2006 no Brasil

E-Consulting e Câmara-e.net prevêem crescimento também do ticket médio e do número de compradores que usam a internet para aquisições.

08 de Dezembro de 2006 - 09h30

O mercado brasileiro deve alcançar 810 milhões de reais somente com bens de consumo neste natal. A previsão é da consultoria E-Consulting e da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Câmara-e.net), que revelam ainda que a previsão para o total de vendas no varejo online neste ano chega a 13,3 bilhões de reais.

Segundo as empresas, que somaram no cálculo as transações de automóveis, turismo e bens de consumo (lojas virtuais e leiloes para pessoa física), apontam um aumento de 34,3% em relação a 2005 e o equivalente a cerca de 3,5% do varejo no Brasil, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A E-Consulting e a Camara-e.net dizem ainda que o varejo online chegou a 9,9 bilhões de reais em 2005, o que já antevia o crescimento, já que o movimento em 2004 havia sido de 7,5 bilhões de reais em 2004.

Natal
Especialmente para a data mais agitada para o comércio, o varejo online bens de consumo deve bater um recorde de crescimento este ano, podendo alcançar 810 milhões de reais. Para 2007, as estimativas são de que o segmento bata a casa dos 17,4 bilhões de reais.

A consultoria e a Câmara-e.net apostam também no aumento do número de compradores – 5,7 milhões – e a previsão para o ticket médio anualizado é de que chegue a 313 reais em 2006.

Após a fusão da Americanas.com e o Submarino, as expectativas são de que o comercio eletrônico no Brasil tem mostrado maturidade e características próprias do País, com registros firmes de crescimento nos últimos três anos, com média de 3,5% desde 2003.

Em relação ao varejo online de automóveis, o registro da consultoria é de que a movimentação totalizou 5,1 bilhões de reais, aumento de 20,5% em relação a 2004. As montadoras e revendedoras de veículos foram responsáveis por 52% do total do VOL. Em 2006, o índice deve chegar a 6,4 bilhões de reais – crescimento de 24,5% frente a 2005 – e 48,1%, respectivamente.