Aplicações > Sistemas Operacionais

Microsoft estende suporte para Windows Server e SQL Server por mais seis anos

Empresa anunciou uma nova opção de licenciamento para os sistemas que amplia o suporte por seis anos, num total de 16 anos de atualizações

12 de Dezembro de 2016 - 13h05

A Microsoft anunciou uma nova opção de licenciamento para o Windows Server e SQL Server que amplia o suporte por seis anos, num total de 16 anos de atualizações a vulnerabilidades.

Chamada de "Premium Assurance", a oferta estará disponível para as versões do Windows Server 2008 e SQL Server 2008 e posteriores. As empresas poderão adquirir a opção de licenciamento com extensão de suporte no início de 2017, disse a Microsoft em um post no blog da empresa.

"[Premium Assurance] ajuda você a continuar cumprindo os requisitos de conformidade e garantir a segurança em sistemas que você não está pronto para atualizar", escreveu Mark Jewett, diretor sênior de marketing de plataforma em nuvem, e Tiffany Wissner, diretora sênior de marketing de plataforma de dados da Microsoft.

A Microsoft deixará de oferecer suporte aos produtos mais antigos ─ Windows Server 2008 e 2008 R2, SQL Server 2008 e 2008 R2 ─, interrompendo as atualizações automáticas, em janeiro de 2020 e julho de 2019, respectivamente. Por exemplo, a adição de Premium Assurance a uma licença do Windows Server 2008 iniciaria o suporte extra em janeiro de 2020 e continuaria até janeiro de 2026.

Sob Garantia Premium, apenas as atualizações de segurança classificadas como correcção de falhas "críticas" e "importantes" serão fornecidas, disseram Jewett e Wissner.

A Microsoft vai descontar o Premium Assurance pelos primeiros dois a dois anos e meio de disponibilidade, uma estratégia para conseguir que as empresas optem pelo serviço. De março a junho de 2017, por exemplo, os clientes pagarão 5% do atual custo de licenciamento para cada ano de cobertura. Esse montante sobe para 7% de julho de 2017 a junho de 2018, para 9% de julho de 2018 a junho de 2019 e, finalmente, para 12% a partir de julho de 2019.

De certa forma, o Premium Assurance pode ser visto como um substituto do que a Microsoft chamou de "Custom Support" (CSAs), um programa altamente individualista que estendeu o suporte após os dez anos habituais, mas que normalmente não era discutido publicamente em detalhes.

Os CSAs normalmente exigiam que o cliente se comprometesse a migrar para uma versão de um produto, com porcentagens dos sistemas cobertos atualizados, expressas em contrato, por um determinado período. O não cumprimento dessas "cláusulas" de migração significava que a Microsoft se recusaria a renovar o acordo ou cortar o suporte.

Esse não é o caso com o Premium Assurance: os clientes podem continuar a executar a versão antiga até seis anos a mais do que o habitual, sem qualquer pressão da Microsoft para atualizar, desde que estejam dispostos a pagar pelo “privilégio”.