Tecnologia > Open Source, Servidores

Microsoft apresenta SQL Server para Linux

Gigante dos sistemas proprietários intensifica seu “namoro” com o software de código aberto, de forma surpreendente

08 de Março de 2016 - 11h20

Quando o CEO da Microsoft, Satya Nadella, assumiu a disposição de empresa de promover uma maior abertura ao Linux, seria natural supor que o compromisso teria algumas ressalvas. Ainda existem, mas na última segunda-feira, a empresa intensificou a sua aposta, de uma das formas mais surpreendentes.

O SQL Server, uma das peças mais populares de software de servidor de base de dados, e uma das jóias da coroa do império empresarial da Microsoft, vai ser disponibilizado para Linux, em meados do próximo ano.

Em um dos blogs da empresa, o vice-presidente executivo da Microsoft, Scott Guthrie, fez o anúncio e explicou que o objetivo é fornecer uma plataforma de dados consistente em Windows e Linux.

O SQL Server para Linux vai transpor as principais características que os usuários esperam do software para servidores. Isso incluindo um serviço de Stretch Database capaz de permitir aos gestores de TI enviar dados de servidores locais para o armazenamento na cloud Azure, mantendo-os acessíveis para aplicações que consultam uma tabela de base de dados específica.

“Esta é uma decisão extremamente importante para a Microsoft, permitindo-lhe oferecer a sua base de dados bem conhecida e confiável a uma quantidade maior de clientes”, sustenta o analista da IDC, Al Gillen. “Ao levar este produto chave para Linux, a Microsoft está provando o seu compromisso de se tornar uma fornecedora de soluções para múltiplas plataformas”.

A partir desta semana a empresa disponibilizará uma versão beta “privada” do software, para teste, com os componentes chave do SQL Server.

Ao mesmo tempo, a Microsoft liberou a edição aquela que deve ser a última versão beta do SQL Server 2016 para Windows.