Negócios > Computação Cognitiva

Margens mais estreitas derrubam receita da IBM pelo 19º trimestre consecutivo

Embora as receitas da empresa com soluções cognitivas e computação em nuvem tenham crescido, as baixas margens não ajudaram a compensar os custos com aquisição e outras despesas

20 de Janeiro de 2017 - 15h14

A competição mais acirrada, principalmente no mercado de computação em nuvem, e as margens menores derrubaram a receita e o lucro da IBM em 2016. Mas o que chama atenção no balanço do quarto trimestre e do ano de 2016 divulgado pela companhia na quinta-feira, 19, é que, embora as receitas com soluções cognitivas (incluindo soluções de software e software de processamento de transações) e computação em tenham nuvem crescido, as baixas margens não ajudaram a compensar os custos com aquisição e outras despesas.

A receita da IBM em 2016 totalizou cerca de US$ 80 bilhões, o que representa um recuo de 2,5% em relação aos cerca de US$ 82 bilhões registrados no ano anterior. Apesar de no quarto trimestre a queda da receita ter sido um pouco menor, de US$ 22 bilhões um ano antes para US$ 21,7 bilhões, o declínio se mantém. Tanto que este é o 19º trimestre consecutivo de queda na receita da empresa. O lucro, por sua vez, caiu quase 10%, para US$ 11,8 bilhões, contra US$ 13,1 bilhões em 2015.

As margens operacionais declinaram 51%, o quinto trimestre consecutivo de queda, segundo o informe de resultados. Investidores e analistas têm essa margem como um indicador-chave da saúde financeira da empresa.

A companhia atribui o estreitamento das margens ao "investimento pesado" ao longo dos últimos anos no desenvolvimento, aquisições e parcerias. A IBM pagou quase US$ 6 bilhões para comprar 15 empresas no ano passado e também aumentou seus gastos em pesquisa e desenvolvimento.

Desde que assumiu o comando da IBM em 2012, a CEO Ginni Rometty procurou concentrar o foco da empresa em produtos e serviços, baseados em tecnologias mais recentes, incluindo computação em nuvem, segurança, análise de dados e inteligência artificial. Entretanto, a erosão de receita dos negócios tradicionais da empresa, tais como sistemas operacionais, hardware e software, comprimiu o crescimento das operações mais recentes.

A IBM também vem tentando expandir a oferta de produtos como serviços, massa está abordagem ainda não ganhou impulso suficiente para gerar as margens de lucro elevadas que IBM e analistas esperavam no longo prazo.Obrigado por seus comentários.