Tecnologias Emergentes > Colaboração

Maioria dos gestores não sabe usar a transformação digital a favor do negócio

Estudo revela que nem todos os executivos com poder de decisão têm claro como poderão tirar vantangem competitiva a partir da transformação digital

20 de Outubro de 2017 - 18h43

Um estudo recente realizado pela Dell EMC em parceria com a Forbes Insight, braço na área de pesquisas de mercado da revista Forbes, aponta que o sucesso da transformação da TI depende cada vez mais da colaboração entre os líderes de tecnologia e finanças — CEOs, COOs, CIOs e CFOs. O levantamento, para o qual foram entrevistados mais de 500 decisores de negócios de diversos países, incluindo o Brasil,

Embora a maioria das empresas esteja investindo pesadamente em infraestrtutura de TI, tendo como objetivo final os resultados de negócios, o estudo apontou nem todos os executivos com poder de decisão têm claro como poderão tirar vantangem competitiva a partir da transformação digital. Muitos deles reconhecerem a importância da transformação digital, mas não sabem como usá-la a favor do negócio.

O levantamento mostra que o número de organizações que dedicam até 50% de seus orçamentos à transformação de TI aumentará quase cinco vezes até 2018. Os objetivos mais críticos incluem: a necessidade de reduzir os custos de TI (75% dos entrevistados), de ser o primeiro a comercializar com novos produtos e serviços (73%); e realocação de fundos para projetos de negócios estratégicos (67%).

Quando os CIOs e CFOs estão em sincronia, o maior benefício, de acordo com os entrevistados, é a habilidade de reagir mais rapidamente a mudanças do mercado (22%), atrair novos clientes nos mercados atuais (16%) e introduzir mais rapidamente novos produtos e serviços solicitados pelos negócios (14%).

Quase todos os entrevistados (96%) vêem a colaboração estreita entre CIO e CFO como importante ou crítica para o sucesso comercial, embora 89% dos executivos reconheçam que barreiras significativas impedem os CIOs e CFOs de colaborar mais de perto na transformação de TI. Entre os 500 executivos entrevistado, menos de 40% descrevem a colaboraçao como excelente. Um dado que chama a atenção no estudo é que na visão de CEOs (72%) e COOs (63%), a eficácia de colaboraçao entre os profissioanais de finança e tecnologia é considerado excelente, o que mostra uma visão deturpada sobre o processo em andamento em suas companhias.

“É fundamental que as empresas entendam quais são suas barreiras no processo de transformação da TI. O estudo mostra que os líderes de locais em que a transformação da TI está estabelecida e é vista como prioridade estratégica têm tendência até duas vezes maior de reportar que estão à frente de seus competidores e até 2,5 vezes de reportar retorno sob investimento em 12 meses ou menos”, afirma Giampaolo Michelucci, vice-presidente de Enterprise da Dell EMC Brasil.

Segundo o levantamento, os problemas de colaboração são exacerbados por conflitos decorrentes de estruturas tradicionais na forma de reportar resultados e pela falta de novos incentivos destinados a promover uma cooperação mais estreita entre CIOs e CFOs. Os CFOs apontam problemas decorrentes da falta de conhecimentos comerciais entre os CIOs que geram prioridades conflitantes, embora os profissionais da área financeira reconheçam que sua visão sobre o papel dos CIOs nas empresas também estejam desatualizados.

Questionados sobre os processos que resultariam na necessária integração entre os objetivos das duas área, os entrevistados apontam como caminhos a atualização da estruturas de geração de relatórios para abordar as funções em evolução dos CIOs, avaliar e recompensar o desempenho do CIO de acordo com os resultados dos negócios, avaliar os índices de ROI como parâmetros, definir e implantar marcos claros para monitorar o progresso de iniciativas de alto risco e transformar o departamento de TI em uma consultoria.

A pesquisa consultou profissionais da América do Norte (30%), Ásia-Pacifico (30%), Europa (30%) e América Latina (10%). Todos são executivos da C-suite; 40% são CIOs, 40% CFOs e o restante uma mistura de COOs e CEOs.