Telecom > Resultados Financeiros

Lucro da Telefônica Brasil cresce 12,8% e chega a R$ 4,6 bi em 2017

Investimentos totalizaram R$ 8 bi no ano e foram destinados principalmente à ampliação da rede móvel 4G

21 de Fevereiro de 2018 - 08h52

O balanço financeiro da Telefônica Brasil, divulgado nesta quarta-feira (21/2) aponta que o lucro líquido da companhia chegou a R$ 4,6 bilhões no ano, 12,8% acima do registrado em 2016.

No quarto trimestre, o lucro líquido foi de R$ 1,5 milhão, 24,9% superior em relação ao mesmo período do ano anterior.

David Melcon, CFO da companhia, destaca que a empresa registrou queda de custos recorrentes pelo oitavo trimestre consecutivo, em decorrência do foco em eficiência e digitalização que norteiam a atuação da companhia, e novamente a expansão no EBITDA e no resultado líquido.

No último trimestre do ano, a empresa registrou sólido crescimento do EBITDA, combinado a uma alocação eficiente de investimentos, que levaram ao crescimento de 46,3% na geração de fluxo de caixa operacional no último trimestre de 2017.

Já o EBITDA Recorrente totalizou R$ 3,9 bilhões no quarto trimestre, apresentando crescimento anual de 7,3%, enquanto a margem EBITDA Recorrente atingiu 35,8%, 2,0 pontos percentuais superior a igual período do ano anterior.

Melcon afirma também que o fluxo de caixa operacional (calculado pela diferença entre o EBITDA e o Capex) atingiu R$ 6,7 bilhões em 2017, com aumento de 46,3% no quarto trimestre no comparativo anual.

Investimentos

Os investimentos totalizaram R$ 8 bilhões no ano e foram destinados principalmente à ampliação da rede móvel de quarta geração (4G) para 2.084 novas cidades, o que ampliou a presença da rede da companhia para 2.600 municípios em dezembro, cobrindo 84,5% da população brasileira.

Além disso, a Telefônica destaca recursos direcionados à expansão de fibra ótica para 16 novos municípios brasileiros, chegando a um total de 87 cidades com FTTH (fiber-to-the-home).

Eduardo Navarro, presidente da companhia, diz que foram investidos o equivalente a 18,5% da receita operacional líquida no ano dentro da estratégia de oferecer o melhor tráfego de dados, com altas velocidades tanto na rede móvel quanto na fixa.

Negócios móveis

A receita líquida móvel cresceu 3,9% no quarto trimestre no comparativo anual, impulsionada pela receita de dados e serviços digitais, que hoje é a principal alavanca de crescimento de receita da companhia, e que apresentou expansão de 25,0% sobre igual período de 2016. No trimestre, a representatividade da receita de dados e serviços digitais sobre a receita líquida de serviço móvel aumentou para 75%, uma evolução de 12,7 pontos percentuais sobre igual período do ano anterior. No total do ano, a receita líquida móvel teve incremento de 3,6%, atingindo R$ 26,5 bilhões.

Os negócios de fixo, por sua vez, tiveram queda de 2,3% na receita líquida no quarto trimestre, segundo a Telefônica devido à tendência de mercado de queda do uso de voz fixa e ao corte da tarifa de ligação fixo-móvel e redução da tarifa de interconexão, no serviço de voz. A TV por assinatura foi outro destaque negativo, com queda de 2,7% na receita no comparativo anual.

Por outro lado, a receita de banda larga cresceu 22,7% no comparativo anual, impulsionada pela evolução das receitas de UBL (Ultra banda larga), que representou 60,2% da receita total de banda larga no período.