Negócios > Internet das Coisas, Tendências

IoT corporativa: corte de custos hoje, máquina de dinheiro amanhã

Gartner observa que as companhias começarão a usar a Internet das Coisas para melhorar seus produtos nos próximos meses

03 de Março de 2016 - 11h12

A Internet das Coisas tornará muitas empresas mais eficientes. E, a partir desse ano, as organizações que souberem explorar o conceito se tornarão ainda mais competitivas. Segundo o Gartner, a coleção de tecnologias conectadas à web será usada de forma mais intensa a partir de agora, tanto para melhorar suas operações quanto para criarem novos negócios.

A consultoria acredita que 2016 será um período de transição na utilização do conceito, cada vez mais direcionado para geração e captura de novas receitas. A afirmação se baseia em uma pesquisa recente que revelou que 14% das empresas pretendem se aventurar em IoT nos próximos meses, sendo que 29% dos respondentes afirmaram que já utilizam esses recursos.

“Por enquanto, a maior parte dos usuários de Internet das Coisas busca mecanismos para reduzir custos. A próxima onda será sobre aplicações que entregam melhores serviços aos consumidores”, estampa um relatório.

De acordo com o levantamento, metade dos projetos atuais foca em questões internas, enquanto cerca de 40% deles já tentam alavancar novas receitas ou prover melhores experiências.

A pesquisa também indica que IoT será aplicado fortemente em indústrias de utilities, logística, varejo e seguradoras, com bilhões de dólares em investimentos, projeta a consultoria.

“Por que as empresas apenas agora estão pensando em buscar novas oportunidades a partir da internet das coisas? Porque não haviam pensado nisso antes!”, afirma Chet Geschickter, analista do Gartner, reforçando que essa mudança de abordagem requer sinergia de ideias entre os executivos do alto escalão corporativo e pensamento criativo. “E isso começa a acontecer”, observa.

Os resultados da pesquisa reforçam que ainda estamos vendo apenas os primeiros passos da Internet das Coisas. Segundo o estudo, as empresas esperam gastar, em média, US$ 7 milhões em projetos de IoT esse ano. Na maioria dos casos, esses recursos se destinarão a entrega de projetos-piloto. Grandes iniciativas começarão a aparecer a partir de 2017, projeta.

O Gartner observa que as maiores barreiras para o avanço do conceito são temas relativos à segurança, integração e gerenciamento de requerimentos de negócios. Grande parte das companhias (64%) acredita que, eventualmente, usará IoT em algum momento.

A pesquisa ouviu 465 líderes de TI e de negócios de 18 diferentes setores econômicos, em novembro de 2015. O levantamento mapeou estratégias previstas para os próximos 12 meses e revelou, também, que apenas 9% dos entrevistados não vêm o conceito como algo relevante às suas atividades.