Tecnologias Emergentes > Lançamentos

Intel e QuTech desenvolvem processador quântico de 2 qubit

Projeto utiliza chips de silício da fabricante norte-americana

16 de Fevereiro de 2018 - 09h57

A QuTech, empresa holandesa voltada a pesquisas em computação quântica, divulgou um processador quântico de 2 qubit (bits quânticos) em um chip de silício. O projeto foi realizado em conjunto com a Intel e publicado na revista Nature.

Os pesquisadores usaram um tipo especial de qubit chamado qubits de rotação para executar dois algoritmos quânticos diferentes em um chip de silício. O protótipo testado é feito com base em circuitos de silício, o que os torna muito parecidos com o desempenho de PCs do que os computadores quânticos já testados. 

Outros sistemas quânticos, como o inovador computador de 49 qubits da Intel, dependem de materiais supercondutores e temperaturas próximas a zero.

A QuTech afirma que este exemplo de um chip quântico programável com qubits confiáveis ​​de silício é um marco importante para a realização de cálculos quânticos confiáveis ​​e escaláveis. Os cientistas mostraram que os qubits são controláveis, podem ser endereçados com alta confiabilidade e que as operações podem ser combinadas para realizar um algoritmo quântico. "Para poder executar algoritmos mais complexos, desenvolveremos chips quânticos de silício com mais qubits, tanto nas salas de Delft (sede da QuTech) quanto em salas limpas industriais com nosso parceiro Intel", afirma a pesquisadora Lieven Vandersypen.

Computação quântica

Os computadores quânticos são muito diferentes dos computadores atuais, que são digitais. Um computador digital utiliza o sistema binário para realizar cálculos, com apenas dois algarismo: zero e um, enquanto um computador quântico usa combinações de zeros e uns para criar vários estados, que podem ser zero, um, ambos ao mesmo tempo ou algo intermediário: um zero e um estado que é difícil descrever ou determinar.

Esses estados desordenados são chamados de "emaranhamento", e já existem várias fórmulas matemáticas bem conhecidas (também conhecidas como algoritmos), que podem usar esses estados para calcular coisas que os computadores tradicionais não são suficientemente poderosos ainda para fazer.

Computadores quânticos são máquinas capazes de solucionar problemas computacionais muito difíceis de forma incrivelmente ágil. Ou seja, coisas que nenhum computador "clássico" poderia realizar, como simulações moleculares complexas ou comunicações incompatíveis.

Apesar de sua promessa de mudar o mundo digital, no entanto, ainda estamos nos estágios iniciais de pesquisa e desenvolvimento da tecnologia. A computação quântica é incrivelmente frágil, exige enorme quantidade de recursos, e ainda é restrita. Essencialmente, os computadores quânticos ainda não são úteis.

Colocá-los em chips de silício, como neste projeto, pode ser um passo para mudar esse cenário.