Tecnologias Emergentes > I.A.

Intel cria divisão para concentrar operações de inteligência artificial

Grupo de Produtos de Inteligência Artificial focará no desenvolvimento de chips e software ligados a machine learning e deep learning

23 de Março de 2017 - 22h12

Os esforços da Intel em direção à inteligência artificial se capilarizaram sobre diferentes unidades da companhia, mas agora todas elas se reúnem sob um mesmo chapéu de operação.

O chamado Artificial Intelligence Products Group (Grupo de Produtos de Inteligência Artificial) irá focar no desenvolvimento de chips e software ligados a machine learning, algoritmos e aprendizado profundo.

Vale ressaltar que a nova divisão poderia se tornar a unidade mais importante da Intel a medida que companhias implementam o aprendizado de máquina em suas operações. 

Para assumir cargas de trabalho como reconhecimento de imagem, automação e análise de dados, a Intel está aprimorando sua oferta de chips.

Entre eles está um novo chip Xeon Phi, batizado de Knights Mill que focará em machine learning. Além disso, a fabricante está aplicando o seu amplo portfólio de FPGAs (Field Programmable Gate Arrays) à inteligência artificial e já oferece muitas das suas ferramentas de software para deep learning, caso do seu kit de desenvolvimento de software (SDK) Deep Learning. 

Também fará parte da nova unidade os chips desenvolvidos pela Movidius e Nervana Systems, companhias que a Intel comprou no ano passado.

Os chips da Movidius são usados em dispositivos móveis, drones, robôs e também para visão computacional. 

Ainda neste ano, a Intel planeja mostrar um circuito integrado de aplicação específica (ASIC, na sigla em inglês) chamado Lake Crest com tecnologia da Nervana. 

A Intel ainda criará um laboratório de pesquisa de Inteligência Artificial dedicado a explorar novas abordagens arquitetônicas e algorítmicas "que poderiam ser aplicadas a tecnologias de data center e dispositivos IoT”.

Atualmente, a aprendizagem de máquina é conduzida principalmente por GPUs, algo que a Intel não faz. Mas entre suas CPUs, ASICs e FPGAs, a Intel acredita que pode oferecer uma ampla gama de chips para atender a todas as necessidades de aprendizado de máquina.

O grupo será liderado por Naveen Rao, que será seu vice-presidente e gerente geral. Ele era o CEO da Nervana Systems antes da empresa ter sido adquirida pela Intel.

Nos últimos meses, a Intel apertou suas operações para concentrar-se nos tidos "mercados quentes". Em novembro, criou o Automated Driving Group para dedicar esforços a carros autônomos.