Segurança > Ciberguerra

Instabilidade política e econômica no Brasil deu origem a onda de incidentes hacking

Estudo da PwC analisa como as incertezas políticas e econômicas globais interferem nos negócios e estratégias que os líderes mundiais devem adotar

19 de Outubro de 2017 - 21h23

Desde 2014, os incidentes de segurança da informação promovidos por Estados mais que dobraram, enquanto aqueles cometidos por hackers cresceram 83%, revela o estudo “Bold steps to manage geolopolitcal threats”, da PwC. Embora menos prevalentes, os ataques cibernéticos planejados por grupos terroristas tiveram um aumento de 24% nos últimos três anos, conforme aponta o levantamento.  A análise da PwC também identifica a origem dos ataques, os setores da economia mais atingidos e como as empresas podem se proteger.

O estudo mostra que as regiões mais afetadas por ataques cometidos por hackers, que muitas vezes agem motivados por questões políticas e ideológicas, são a Europa (21% dos incidentes), Ásia e Pacífico (21%); em seguida, aparecem Oriente Médio e África (18%), América do Norte (17%) e América do Sul (17%) — veja gráfico abaixo.

No Brasil, a instabilidade política e econômica deu origem a uma onda de incidentes cometidos por hackers. No ano passado, diversos sites do governo ficaram fora do ar durante as Olimpíadas devido a ações do grupo Anonymous.

Em média, 10% das ameaças cibernéticas no mundo são promovidas hoje por governos. Os terroristas são responsáveis por 14% dos incidentes no Oriente Médio e África, 11% na América do Sul, 11% na Europa, 10% na Ásia e Pacífico e 8% na América do Norte.

Globalmente, tensões geopolíticas aumentam os riscos potenciais de ataques. As disputas entre a Rússia e a Ucrânia continuam a trazer sérias implicações. Em dezembro de 2015, os hackers invadiram os sistemas de distribuição de energia da Ucrânia, cortando o fornecimento de energia de 230 mil pessoas. Na Ásia, a situação é parecida. No ano passado, a Coréia do Sul acusou a Coréia de Norte de uma série de incidentes cibernéticos que atingiram 160 empresas e órgãos governamentais sul-coreanos. Grupos extremistas também estão utilizando, cada vez mais, ferramentas como canais de comunicação criptografada e mídias sociais para disseminar ataques.

“As ameaças geopolíticas são extremamente importantes hoje e continuarão a ser significativas nos próximos anos, no mundo todo”, diz Edgar D’Andrea, sócio da PwC e líder de segurança da informação e privacidade de dados. “As empresas devem estar cientes desses riscos e investir em programas adequados para enfrentá-los”.

No que diz respeito aos setores mais atingidos, a área de telecomunicações ocupa o primeiro lugar do ranking (24%), seguido pela indústria automotiva (23%) e finanças (21%). Os principais agentes dos incidentes nesses setores são, em geral, hackers. No caso da indústria de entretenimento e mídia (17% dos ataques globais) e óleo e gás (13%), o principal autor é o Estado.