Tecnologia > Estratégia, Robótica, Tendências

Hawking e Musk estão equivocados sobre futuro da I.A., afirma Eric Schmidt

Líder da Alphabet diz que ambos, apesar de brilhantes, não estão na posição de preverem os rumos da inteligência artificial

10 de Junho de 2016 - 15h58

Para Eric Schmidt, presidente do conselho diretivo da Alphabet, o renomado físico britânico Stephen Hawking e criador da SpaceX, Elon Musk, não estão muito na posição de preverem com precisão o futuro a Inteligência Artificial. Em resumo, o que Schmidt quis dizer é que, bem, os dois não são cientistas da computação.

Nessa quinta-feira, Schmidt participou do painel “Brilliant Minds”, em um simpósio em Estocolmo, e falou sobre as previsões de Hawking e Musk. 

“No caso de Stephen Hawking, apesar de ser um homem brilhante, ele não é um cientista da computação. Elon [Musk] que também é um homem brilhante, apesar de também ser um físico, não é um cientista da computação”, disse o executivo.

Em 2015, Hawking, Musk e outros especialistas em inteligência artificial assinaram uma carta aberta onde pediam maior atenção sobre os impactos do desenvolvimento da Inteligência Artificial, alertando para a criação de tecnologias que o homem não poderia controlar no futuro.

No final do ano passado, Musk anunciou a criação de uma empresa voltada para pesquisa em I.A., chamada OpenAI que, segundo ele, visa desenvolver software e  máquinas inteligentes que beneficiem a vida humana. Musk investiu US$ 1 bilhão no projeto que diz não ter fins lucrativos.

Sobre a possibilidade da inteligência artificial destruir a vida humana no futuro, Schmidt não vê muito alarde:

“O cenário que você está descrevendo é aquele onde computadores ficariam tão inteligentes que eles iriam nos destruir em algum momento na evolução de inteligência devido a algum bug. Minha pergunta para vocês é essa: você não acredita que humanos perceberiam isso, e começariam a desligar os computadores? 

Nós teríamos uma corrida entre humanos desligando computadores e a inteligência artificial se recolocando para outros computadores, em uma corrida maluca para o último computador, e nós não conseguiríamos desligá-los, e isso é um filme. É um filme. O estado da arte não suporta nenhum desses cenários. É apenas especulação”.

Na semana passada, Musk sugeriu em uma entrevista na Code Conference que de todas as companhias que investem em inteligência artificial, a única cujos esforços o preocupam seria o Google.

Schmidt disse que os esforços do Google estão sob controle e focados em criar assistentes pessoais para todos, como o recente app Allo, que aprende com seus usuários a como responder mensagens automaticamente. 

O executivo também sugeriu que a companhia não desenvolveu nenhuma I.A. a um nível que possa superar a inteligência humana. 

"Nós ainda estamos tentando aprender a como lidar com jogos", se referindo a vitória do AlphaGo sobre o campeão Lee Se-dol.