Segurança > Cibercrime, Fraudes, Segurança de Dados, Segurança Móvel

Hackers usam moeda virtual de game para lavar dinheiro e financiar cibercrime

Lucro com a venda de moedas virtuais — depois convertidas pelos em dinheiro real — é usado para ataques direcionados contra empresas

17 de Novembro de 2016 - 11h01

Comprar moeda de jogo online de terceiros pode soar inofensivo afinal, não é ilegal, a prática envolve apenas o dinheiro virtual usado em um game online, e é difícil imaginar que tenha algum impacto no real mundo fora do jogo. Mas engana-se quem pensa assim. Os cibercriminosos não só estão lucrando com essa prática, mas também usando-a para lavar o dinheiro roubado e financiar mais ações de cibercrime.

Estudo da Trend Micro, intitulado "The Cybercriminal Roots of Selling Online Gaming Currency", revela como funcionam as operações clandestinas no comércio de moedas virtuais e como os jogadores tem suas contas hackeadas.

Primeiro, os cibercriminosos adquirem a moeda do jogo, geralmente explorando bugs e falhas no jogo ou roubando-a das contas dos jogadores. Em seguida, anunciam a venda de moeda roubada através de sites e mídias sociais. O lucro com a venda das moedas virtuais — convertidas pelos hackers em dinheiro real — é usado para atividades cibercriminosas, que incluem desde ataques direcionados contra empresas, corporações e até mesmo servidores do jogo. A Trend Micro observou a ocorrência desses ataques provenientes de grupos de hackers como Lizard Squad, Team Poison e Armada Collective.

Acumular moedas de forma legítima exige muito esforço e tempo dos jogadores, ao contrário da comercialização da moeda eletrônica. Tal atividade é desaprovada por muitos desenvolvedores de jogos online, pois a prática é vista como um tipo de trapaça e, geralmente, motivo para banir o jogador. Mas trapacear em jogos online não é ilegal, tampouco a compra e venda de moedas virtuais. Os cibercriminosos estão plenamente conscientes disso e encontraram uma maneira tirar vantagem desse esquema.

Alguns sites criaram seus próprios anúncios, promoções e sistemas de pagamento prometendo transações rápidas e seguras, bem como suporte por meio de chat ao vivo 24 horas por dia. Jogos online como a FIFA, World of Warcraft e Path of Exile, e até mesmo o popular jogo Pokémon Go têm seus próprios anúncios, promoções e sistemas de pagamento.

Mas a Trend Micro defende que enquanto não houver nenhuma lei no sentido de regular as moedas de jogos online, provavelmente haverá cada vez mais grupos de cibercriminosos se aproveitando desee tipo de atividade.