Segurança > Cibercrime

Hackers podem estar de olho no novo sistema operacional da Samsung

Tizen, novo sistema para dispositivos da marca, pode estar na mira dos cibercriminosos depois que um pesquisador de Israel anunciou ter encontrado nele cerca de 40 vulnerabilidades

05 de Abril de 2017 - 18h56

O Tizen, sistema operacional desenvolvido pela Samsung para seus dispositivos, pode estar na mira dos cibercriminosos depois que um pesquisador de Israel anunciou ter encontrado nele cerca de 40 vulnerabilidades. "O Tizen é um novo sistema operacional lançado pela Samsung e como ele começa a ganhar publicidade e a ser adotado, não são apenas os pesquisadores de segurança que começarão a olhar para o código para identificar vulnerabilidades", diz Nikolaos Chrysaidos, head da área de inteligência de ameaças móveis e segurança da Avast.

"Com o sistema já dentro de milhões de smart TVs, telefones celulares, geladeiras e relógios inteligentes, essas vulnerabilidades também podem causar uma nova epidemia de malware focado em Tizen. Os cibercriminosos gostam de grandes públicos, de modo que atacar um sistema operacional relativamente novo, mas líder de mercado, obviamente tem potencial para oferecer maior retorno", acrescenta Chrysaidos. "Pode ser um esforço especialmente lucrativo, já que as plataformas móveis de hoje tornam quase impossível detectar os cibercriminosos depois que eles estão lá dentro. Isso lhes dá muito tempo para extrair continuamente o que precisam e espalhar mais código malicioso sem serem incomodados".

Segundo Chrysaidos, os cibercriminosos também podem comprometer o sistema operacional criando aplicativos maliciosos que eles publicam na Tizen App Store. Como resultado, sempre haverá um risco potencialmente maior de que uma vulnerabilidade exista ou possa ser introduzida por um desenvolvedor de terceiros para os telefones Samsung, do que aqueles executados em outros sistemas operacionais, diz o executivo.