Internet > APPs

Facebook estima crescimento de 56% das mensagens instantâneas até 2018

Segundo novo estudo da rede social, maior parte dos entrevistados pretende trocar mais mensagens com outros indivíduos, grupos e empresas nos próximos anos

05 de Dezembro de 2016 - 18h41

A troca de mensagens instantâneas deve crescer 56% até 2018, segundo um novo estudo do Facebook realizado com a consultoria Nielsen. Atualmente, 59% das pessoas dizem enviar mais mensagens do que há dois anos ─ algo até óbvio pelo crescimento de aplicativos como o Facebook Messenger e o WhatsApp, também da rede social de Mark Zuckerberg.

O levantamento verificou que até o fim de 2018 metade dos entrevistados vai trocar mais mensagens com outra pessoa. Esse índice sobe para 60% quando o assunto é trocar mais mensagens com grupos e 67% quando a conversa é com empresas.

Perfil no Brasil

O levantamento aponta ainda que os brasileiros veem a troca de mensagens de texto via apps como algo conveniente, econômico e eficiente. Não por acaso, o WhatsApp possui mais de 100 milhões de usuários no país.

Os temas favoritos para os brasileiros conversarem com os amigos e contatos nesses aplicativos são filmes, seguido de pessoas que elas conhecem, e também para atualizar os amigos e familiares sobre como eles estão. 

Hábito de todos

O novo estudo do Facebook ainda coloca por terra a ideia de que apenas os mais jovens gostam de enviar mensagens.  De todos os entrevistados, 65% dos Millenials (18-34 anos) dizem preferir enviar uma mensagem do que ligar ou mandar e-mails, seja para uma pessoa ou para um grupo, exatamente o mesmo número registrado entre os entrevistados que fazem parte da chamada geração X (35-54 anos) e muito próximo dos 63% dos baby boomers (mais de 55 anos) que declararam a mesma preferência.