Gestão > Internet das Coisas

Evolução da IoT nas agritechs depende de qualificação de profissionais

Estudo mostra que mais de 60% das empresas precisam de funcionários especializados para aproveitarem oportunidades oferecidas pela tecnologia

17 de Janeiro de 2018 - 12h40

Pesquisa encomendada pela Inmarsat mostra que a grande maioria das empresas de agritech se move em direção à adoção da internet das coisas (IoT), mas parte significativa delas não possui equipe ou as habilidades necessárias para aproveitar o melhor da tecnologia.

A especialista em pesquisa de mercado Vanson Bourne entrevistou profissionais de cem grandes empresas de agritech em todo o mundo e mostrou que, enquanto mais de 46% das empresas desse setor relataram uma implantação total de soluções IoT e 16% outras iniciaram uma implantação parcial, muitas não possuem hoje as habilidades necessárias para fazer isso de forma eficaz.

Por isso, o levantamento mostra que empresas de agritech precisam requalificar seus atuais funcionários e embarcar em campanhas de recrutamento para extrair todo o potencial da IoT.

Habilidades

A pesquisa aponta também que as empresas precisam elevar suas habilidades no nível estratégico, no qual 65% dos entrevistados identificaram uma insuficiência, bem como na administração e entrega da implantação da IoT, para o qual mais de 50% dos entrevistados disseram que faltava pessoal.

Ainda, o estudo elenca os conhecimentos específicos de IoT que faltam para as empresas de agritech. Cerca de 55% destas relataram uma falta de pessoal de segurança cibernética; já para 53%, necessidade de habilidades de ciência analítica e de dados é um fator preocupante.