Internet > Cibercrime

EUA e Europa fecham dois dos maiores sites ilegais da 'dark web'

AlphaBay e Hansa operavam na dark web vendendo drogas e armas e realizavam transações diárias estimadas em milhares de dólares

21 de Julho de 2017 - 13h36

Dois dos maiores sites de vendas que operavam na “dark web”, o AlphaBay e o Hansa, foram fechados pelas polícias dos EUA e da Europa. Os dois sites comercializavam itens ilegais e ilícitos, tais como drogas e armas, o que levou o FBI, a polícia federal americana, a DEA, agência antidrogas dos EUA, e a Polícia Nacional Holandesa, se associaram para impedir a venda de drogas ilegais. Europol disse que havia 250 mil anúncios no AlphaBay de 200 mil membros e 40 mil vendedores de drogas.

Os sites operavam na rede Tor, que faz conexão com os sites escondidos na dark web usando uma rede intrincada de servidores, o que torna o rastreamento da origem do acesso quase impossível, garantindo o anonimato dos usuários que compram drogas e pagam através de moedas digitais, como a bitcoin.

O AlphaBay foi desligado misteriosamente no início deste mês, o que alimentou suspeitas entre os usuários de que órgãos de segurança governamentais estavam agindo. O site era considerado pela polícia europeia o maior mercado negro online de drogas, realizando transações diárias que envolviam centenas de milhares de libras. Na verdade, ele preencheu a lacuna deixada pela retirada do ar do Silk Road, em 2013, pelo FBI. O diretor interino do FBI, Andrew McCabe, disse ao The Guardian que o AlphaBay era dez vezes maior do que a Silk Road.

Já o Hansa teve seu controle assumido pela polícia nacional holandesa, em 20 de junho, que descobriu servidores na Lituânia, Holanda e Alemanha. A ação permitiu a vigilância de atividades criminosas antes de encerrar tirar o site do ar em julho. Policiais na Europa e nos EUA fizeram investigações coordenadas para chegar às instalações do Hansa.

Para tal, as autoridades policiais europeias assumiram o "controle secreto" do Hansa há um mês com a permissão das autoridades judiciais holandesas, antes que AlphaBay fosse encerrado, segundo Rob Wainwright, diretor executivo da Europol. "O objetivo era sinalizar que o AlphaBay havia migrado para o Hansa, monitorar suas novas transações e varrer todos os novos usuários", contou.

Os servidores da AlphaBay foram descobertos com a ajuda das autoridades da Tailândia, Lituânia, Canadá, Grã-Bretanha e França. A operação incluiu a prisão do fundador do AlphaBay, Alexandre Cazes, em 5 de julho, cidadão canadense detido na Tailândia. *Com agências de notícias internacionais.