Gestão > Marketing Digital

Era da automação: como a transformação digital pode revolucionar o marketing

Não vai ser fácil para o CMO atual definir qual é a melhor estratégia de automação

22 de Maio de 2018 - 07h27

Transformação digital é a palavra da moda agora. A questão é como realmente aplicar esse conceito no Marketing – provavelmente uma das áreas que mais pode se beneficiar com essa tendência. De maneira concisa, esse movimento, no marketing, traz insights importantes que podem mudar radicalmente desde a forma como as empresas planejam seu pipeline de produtos, até como se comunicam com seus consumidores.

No Brasil, a transformação digital ganha cores e relevos únicos. Estamos falando de ambientes tecnológicos e níveis de maturidade completamente distintos entre uma empresa e outra. Enquanto algumas empresas varejistas brasileiras já montam times de data scientists para analisar suas enormes bases de dados com históricos detalhados de compras de anos, outras ainda estão estruturando seus sistemas para conseguirem coletar e tratar adequadamente uma massa grande de dados. Imagine a geração de valor, insights, ganho de tempo e escala que o tratamento apropriado não pode trazer.

Por onde começar

A primeira coisa que Marketing precisa parar para olhar com atenção redobrada são os dados. A quantidade de dados gerados e completamente apartados é enorme. Mais do que nunca, Marketing precisa se orientar a dados, e unir essas bases, criando uma plataforma de inteligência com dashboards de fácil entendimento para qualquer área da organização é o primeiro passo para começar a transformação digital em Marketing.

Isso significa unir os dados de campanhas de Marketing, com dados de Trade, Inteligência de Mercado e Inovação, procurando por padrões e caminhos de consumo que, há alguns anos, era impensável. Mais do que isso, a união dos dados permite entender de maneira mais profunda a jornada do cliente em vários pontos de contato. Isso vai permitir que o Marketing entregue experiências individualizadas para cada consumidor, aproximando o ato da compra à experiência.

Automação é o caminho

A transformação digital tem trazido uma mudança que está sendo muito discutida, e vista até com certo temor: a automação e a robotização. O mesmo fenômeno que atingiu as fábricas a partir da década de 70, está chegando ao escritório. Longe de ser um problema, é a solução para tirar recursos humanos de ações operacionais que podem ser desempenhadas por robôs.

Não vai ser fácil para o CMO atual definir qual é a melhor estratégia de automação. Hoje, existem mais de 6 mil aplicações no mundo voltadas para a automação da jornada em Marketing – em vários mercados diferentes. Além de olhar para o mercado, o Marketing também vai ter que olhar para o legado dentro de casa – e no caso do Brasil, estamos falando de ambientes com camadas de aplicações de tecnologias e épocas totalmente diferentes.

A otimização das ferramentas de análise

Outra “revolução da Transformação Digital” é a capacidade que as empresas têm de medir as estratégias que adotaram, bem como de segmentar de forma precisa o comportamento do consumidor. Mais do que isso, a era das campanhas “com retorno subjetivo” acabou. Tanto é que as próprias agências de publicidade têm investido em métricas e ferramentas que oferecem aos seus clientes capacidade de visualização de dados de maneira mais intuitiva.

Por fim, é preciso criar um mindset de “ser digital” e não apenas “fazer digital”. Como otimizar os processos? Como aproximar as ações dos dados? Como conectar times e equipes trazendo economia de recursos e alta produtividade? Essa resposta o Marketing só vai ter a hora que “botar a mão na massa” e passar a encarar a tecnologia não como a ferramenta que fornece o resultado final da campanha, mas como um meio de se chegar a esse resultado.

*Kleber Astolfi é COO da Astéria