Negócios

Entenda a estratégia da Dell para voltar a abrir capital

Empresa está planejando uma rota não convencional de volta aos mercados públicos. Saiba o que muda na estrutura da companhia

05 de Julho de 2018 - 15h02

Após deixar os mercados públicos em 2013, Michael Dell está tentando levar sua empresa – a homônima Dell – de volta ao mercado de ações, por meio de um acordo envolvendo o tracking stock da VMware.

O resultado foi uma nova empresa, chamada Dell Technologies – que fica acima da Dell, da Dell EMC, da Pivotal e da VMware, em termos gerais. Ou seja, primeiro há a antiga divisão de servidores e computação da Dell, que agora é o Dell Client Solutions Group. Depois há a Dell EMC, que se concentra no armazenamento de dados e serviços. Em seguida, há a VMware e a EMC, fornecedora de software de computação em nuvem e virtualização, adquirida em 2004 por US$ 625 milhões. Existem, ainda, algumas outras divisões e sub-divisões, como RSA, SecureWorks e Virtustream.

Tornando-se pública

A Dell foi privatizada em 2013, após um acordo de U$ 25 bilhões com a Silver Lake, empresa de private equity. Agora, para entrar novamente nos mercados públicos, ela deve adquirir de volta o chamado tracking stock (estoque de rastreamento).

Esta é uma ação ordinária emitida por uma empresa controladora (neste caso, a Dell Technologies) para rastrear o desempenho de uma divisão específica (VMware), sem reivindicar os ativos da divisão.

Isso separa as receitas e despesas da VMware das demonstrações financeiras da controladora, permitindo que os investidores invistam na VMware, mesmo que não tenham fé nas tecnologias da Dell como um todo.

Agora, como parte dessa estratégia corporativa, a Dell está procurando trocar o tracking stock da Dell Technologies (conhecido como Classe V) pelas ações ordinárias próprias da Dell (conhecidas como Classe C) a uma taxa de 1,3665, ou por US$ 109 por ação em dinheiro, se o titular assim o desejar, desde que o total não exceda US$ 9 bilhões.

Ou seja, o tracking stock será eliminado, já que é negociado pelas ações ordinárias de propriedade privada da Dell, que serão listadas diretamente na Bolsa de Nova York.

A Dell, então, listará diretamente essa ação como uma nova classe sob um símbolo de ticker ainda a ser anunciado no mercado público. Esta movimentação evita a necessidade de passar pelo processo formal e subscrito de IPO e todas as questões que isso traz, principalmente em relação às dívidas ​​da Dell. Outra alternativa seria uma fusão reversa com a VMware, mas isso não acontecerá por enquanto.

Após o fechamento dos resultados, previsto para o quarto trimestre deste ano, a Dell Technologies será mais uma vez uma empresa pública, com todos os rigores dos relatórios trimestrais, com o dever de manter os investidores felizes com o resultado.

Michael Dell, que atualmente detém 72% das ações ordinárias da Dell Technologies, é o grande vencedor do acordo. Ele terá entre 47% e 54% da nova empresa pública e continuará atuando como presidente e CEO.

Isso também significa que a Dell terá mais controle sobre a VMware, já que acabará o controle dos proprietários. No entanto, a VMware continuará sendo uma empresa de capital aberto separada da Dell Technologies, semelhante à forma como a Pivotal - que é de propriedade majoritária da Dell - tornou-se pública no início de 2018.

O que pensa o Gartner

Craig Lowery, diretor de pesquisa do Gartner, acredita que o momento é apropriado para essa mudança da Dell, já que a empresa já aproveitou a autonomia privada e, agora, pode se concentrar em "mais consolidação no portfólio da Dell Technologies, removendo o tracking stock, enquanto permite que o Michael Dell e a Silver Lake mantenham o controle da VMware e posicionem a Dell para se tornar uma empresa de capital aberto novamente ", disse.

O especialista vê essa mudança como vital para a capacidade de longo prazo da Dell de competir com os fornecedores de nuvem pública. "Também é essencial para a Dell posicionar-se para lidar com essa ameaça aprofundando ainda mais os investimentos para fornecer produtos e serviços que aproveitam a tendência da nuvem pública”, comenta.

>Siga a Computerworld Brasil também no Twitter Facebook