Telecom > Telecom

Empresas de telecomunicações querem prioridade para abastecer frota

Empresas também solicitam a escolta de caminhões-tanque até os reservatórios de abastecimento dos geradores usados nas centrais de telecomunicações

28 de Maio de 2018 - 09h29

As prestadoras de telecomunicações pediram neste domingo (27/5) à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) prioridade para o abastecimento da frota de veículos utilizados na manutenção das redes e proteção da infraestrutura crítica das teles.

De acordo com as empresas, os estoques de combustível estão “praticamente zerados”, o que pode levar à suspensão dos serviços de telefone e internet para o consumidor individual e para atividades essenciais, como hospitais, bombeiros e segurança pública.

Por meio do SindiTelebrasil, as empresas também solicitam a escolta de caminhões-tanque até os reservatórios de abastecimento dos geradores usados nas centrais de telecomunicações. Os geradores são acionados em casos de falta de energia comercial.

A falta de combustível inviabiliza as atividades de manutenção e reparo e pode dificultar o atendimento de falhas massivas, que, segundo o SindiTelebrasil, podem interromper diversos serviços de telecomunicações e atingir milhares ou até milhões de pessoas.

Mais apelos

Diferentes entidades emitiram nota hoje apelando para que os caminhoneiros encerrem a greve que provocou impacto em vários serviços do país.

A Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) manifestou preocupação com o funcionamento das instituições hospitalares. Segundo a entidade, além do risco de falta de insumos e medicamentos, há também dificuldade de acesso dos médicos e funcionários para chegarem aos hospitais.

A associação alerta que também há escassez de alimentos para dieta dos pacientes internados e ambulâncias estão paradas por falta de combustível. Tem faltado ainda entrega dos serviços de lavanderia e problemas do recolhimento de lixo hospitalar e o estoque do banco de sangue pode ser prejudicado.

A entidade alerta que, se não for adotada nenhuma medida imediata, a partir de amanhã (28) muitos hospitais não conseguirão dar continuidade ao atendimento de pacientes.