Gestão > Gestão de Projetos, Governança, Legislação

Desafios e oportunidades para o gestor de TI em 2016

Ao analisarmos o contexto fiscal, vários projetos dependem da participação do setor de TI, como as entregas do Bloco K e o eSocial

16 de Dezembro de 2015 - 08h35

2016 será um ano de grandes desafios para a maioria dos gestores de Tecnologia da Informação. A crise econômica e o agravamento do cenário político atrapalham o planejamento das empresas e impactam diretamente na decisão por investimentos.

Os gestores de TI terão um papel fundamental na escolha e na priorização dos projetos a serem executados. Ao analisarmos o contexto fiscal, vários projetos de 2016 dependem da participação do setor de TI, como as entregas do Bloco K e o eSocial.

No Bloco K, o setor TI terá o papel de identificar as mudanças que poderão causar impacto à geração das informações. É necessário que esse público compreenda o fluxo, desde a integração do processo industrial até a composição do arquivo e os sistemas especialistas envolvidos, gerando as atualizações necessárias para extração dos dados de Controle de produção e estoque.

Já o eSocial, por se tratar de uma obrigação que deixa de ser manual, também demandará uma atenção do profissional de TI, considerando que este sistema de escrituração digital pode gerar muitos impactos nas diversas áreas da organização, como por exemplo: seleção de pessoas, admissão, afastamento, férias, rescisão e segurança de trabalho.

Mas existem outras mudanças que deverão ser acompanhadas com atenção. Destaco a opção pela CPRB (Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta), onde será necessário projetar cenários para definir o melhor modelo para a organização; e as mudanças na entrega do ECD e ECF, que tiveram suas datas antecipadas. É importante ressaltar que essas entregas possuem cronograma obrigatório definido pelo governo e, portanto, passam a ser prioridade.

Por outro lado, existem projetos como a gestão de documentos eletrônicos e a validação das informações fiscais que, apesar de não serem obrigatórios, podem significar ganhos financeiros, redução de custos operacionais ou ainda redução da exposição fiscal da empresa.

Se avaliarmos todas as demandas de TI geradas pela organização, a complexidade aumenta e o gestor precisará usar as melhores ferramentas disponíveis, focado na assertividade, e tomar a melhor decisão para o negócio.

O desafio em 2016 está lançado! Será necessário usar a criatividade para fazer mais com menos recursos. Alguns gestores passarão o ano lamentando as dificuldades, enquanto outros aproveitarão as oportunidades. Quem estiver melhor preparado, conseguirá se destacar neste cenário turbulento, gerando melhores resultados. E você, qual a sua escolha para enfrentar 2016?

*Cassio Ricardo de Medeiros é diretor comercial da Quirius.