Tecnologia > Hardware

Dell vai oferecer PCs como um serviço até o fim deste ano, inclusive no Brasil

A informação é de Michael Dell, que reiterou a importância desse mercado para empresa e, portanto, não pretende abandoná-lo

10 de Maio de 2017 - 14h58

Até o fim deste ano, a Dell pretende oferecer PCs como um serviço (PCaaS), como parte da estratégia da empresa para tentar fazer frente à retração global nas vendas de computadores pessoais. A informação é de ninguém menos que Michael Dell, dada em conversa com a imprensa durante o Dell EMC World 2017, evento anual da empresa que acontece esta semana em Las Vegas (EUA).

Apesar de a possibilidade de retomada do mercado de PCs ser bastante remota, especialmente em razão da explosão nas vendas de smartphones e tablets, usados cada vez mais para acesso à internet e computação, Dell reiterou que esse é um mercado importante para empresa e que, portanto, não pretende abandoná-lo, embora, após a fusão com a EMC no ano passado, ela esteja se concentrando em infraestrutura, com ofertas mais focadas em servidor, armazenamento, nuvem, redes e Internet das Coisas.

A venda de PCs como serviço, segundo o executivo, abre a possibilidade de as empresas adquirirem ou renovarem seu parque de equipamentos por meio do pagamento de uma taxa mensal, portanto, sem terem que imobilizar capital em equipamentos. Para a Dell, o modelo PCaaS é positivo porque gera a oportunidade de venda de novos serviços e, por tabela, novas receitas.

De acordo com a última pesquisa da IDC, as remessas globais de PC da Dell cresceram 6,2% no primeiro trimestre deste ano, com a venda de 9,6 milhões de unidades. A empresa ficou em terceiro lugar no ranking dos maiores fabricantes de PCs, atrás da HP e Lenovo, com uma participação de mercado de 15,9%. No Brasil, no entanto, a Dell manteve a liderança do mercado brasileiro de PCs no último trimestre de 2016, com 26,4% do total de unidades vendidas no período, de acordo com a consultoria. Foi a primeira vez nesta década em que uma fabricante concentra mais de um quarto das vendas do setor no país em um trimestre.

O vice-presidente e diretor geral da Dell no Brasil, Luis Fernando Gonçalves, diz que o novo modelo amplia a venda de serviços, como, por exemplo, segurança, e, para as empresas, oferece uma garantia continua de atendimento. Isso sem falar na atualização constante do parque de PCs. Outro ponto importante, segundo ele, é o fato de evitar a abordagem de pontos de solução. “As empresas hoje compram antivírus de um fornecedor e firewall de outro, por exemplo. Com o PCaaS, elas passam a ter um modelo de segurança single sign on [em que os usuários têm acesso a múltiplos serviços] de um único fornecedor.”

Gonçalves explica que a Dell, na verdade, já oferece o modelo PCaaS, mas apenas por meio de parceiros de negócios e não diretamente. “No Brasil, onde os juros são muito elevados e o custo do dinheiro é alto, o novo modelo vai permitir que a empresa tenha uma estrutura de caixa para suas operações, já que não terá que imobilizar capital no parque de máquinas.”

*O jornalista viajou a Las Vegas a convite da Dell EMC.