Negócios > Resultados Financeiros

Déficit do setor eletrônico cresce puxado por importações de componentes para telecom e chips

As importações de componentes para telecom e semicondutores, juntas, somaram US$ 911 milhões em setembro

27 de Outubro de 2017 - 13h12

O déficit da balança comercial de produtos elétricos e eletrônicos somou US$ 17,4 bilhões no período de janeiro a setembro deste ano, 20% acima do registrado em igual período do ano passado, quando somou US$ 14,6 bilhões, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee).

O aumento do saldo negativo foi resultado do incremento de 15,5% nas importações, que chegou a US$ 21,7 bilhões no período. A elevação de 1,7% das exportações, que atingiram US$ 4,3 bilhões, pouco amenizou este quadro, uma vez que o montante foi significativamente inferior ao das importações.

“Embora o déficit seja incomodo, o aumento das compras externas, principalmente de componentes, está relacionado ao processo de retomada de atividade do setor”, diz o presidente da Abinee, Humberto Barbato. Ele espera que a recuperação pelo qual passa a indústria elétrica e eletrônica não fique concentrada apenas no mercado interno e alcance também as exportações de forma mais robusta.

Em setembro, as exportações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 535,2 milhões. Este foi o segundo maior montante mensal exportado neste ano, ficando abaixo apenas do resultado apurado em março, que atingiu US$ 683,5 milhões.

Já as importações registraram US$ 2,66 bilhões. Do mesmo modo que as exportações, este foi o segundo maior montante deste ano, abaixo apenas das importações registradas em agosto, que somaram US$ 2,78 milhões.

As exportações no mês de setembro, quando comparadas com o mesmo mês do ano passado, aumentaram 13,9%, com crescimento em seis das oito áreas do setor analisadas, entre elas a de bens de Informática, que cresceram 28,8%. Destacaram-se, principalmente, as vendas externas de cartões inteligentes (smart cards) que somaram US$ 8 milhões (+44%) e de monitores de vídeo, que passaram de US$ 122 mil, em setembro de 2016, para US$ 3,1 milhões, em setembro deste ano.

Por outro lado, as importações em setembro registraram US$ 2,66 bilhões, sendo que somente as compras externas de componentes elétricos e eletrônicos subiram 26,2% e somaram US$ 1,64 bilhão. O maior volume de importações foi de componentes para telecomunicações e semicondutores, que juntos somaram US$ 911 milhões. Os itens de telecomunicações tiveram um incremento significativo, de 19,1% (veja gráfico abaixo).