Gestão > Estratégia, Inovação, Tendências

A cultura da inovação como forma de recriar as empresas

Com tantas transformações e com a automação cada vez mais acelerada, as empresas precisam rever hábitos para se adaptar ao novo cenário

29 de Fevereiro de 2016 - 07h00

Para crescer e se diferenciar no mercado, uma empresa precisa inovar. Tão enfatizada nos dias de hoje, a inovação permite que as organizações obtenham expressiva vantagem competitiva, especialmente quando se fala em avanços tecnológicos.

Nas últimas décadas foi possível assistir a um impressionante desenvolvimento de novas tecnologias, que transformaram o ambiente de empresas de todos os portes, em busca de mais qualidade, eficiência e redução de custos.

Na transição da 3ª para a 4ª revolução industrial, assistimos à chegada de uma série de novas tecnologias, como impressoras 3D que imprimem até alimentos, internet de todas as coisas, cloud computing para suportar soluções de negócios, ferramentas cognitivas para permitir que pessoas e máquinas interajam de forma mais natural, sem contar a possibilidade de monitorar informações em tempo real, potencializando processos de vendas e atendimento.

Com tantas transformações e com a automação cada vez mais acelerada, as empresas precisam rever hábitos para se adaptar ao novo cenário, especialmente em momentos de crise. A inovação certamente pode contribuir para ampliar o market share, a lucratividade, além de agregar valor aos serviços e alavancar a atuação em outros mercados.

Não é por acaso que várias companhias estão revendo os investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento, ampliando parcerias com as Universidades, para gerar ideias e conhecimentos. O objetivo é explorar os diversos ecossistemas de tecnologia em busca de talentos que poderão ditar tendências e ajudar no desenvolvimento de novas soluções.

Para garantir a liderança de suas organizações, vários CIOs estão reavaliando os modelos de negócios para oferecer tecnologias mais flexíveis, ágeis, intuitivas e seguras, que atendam rigorosamente os critérios de compliance. Institutos de pesquisa reconhecidos internacionalmente revelam que vários CIOs apontam a inovação como uma vantagem competitiva, que impactará diretamente no resultado das empresas e na percepção que o mercado terá delas.

E é justamente neste ponto que CIOs e CXOs estão trabalhando em sintonia para conciliar budgets com o desenvolvimento de soluções inovadoras, disruptivas, que contemplem pontos prioritários para todos o executivos C-Level: estabilidade, eficiência, redução de custos e complexidade, segurança e privacidade das informações, sem deixar de lado o retorno sobre o investimento (ROI). Afinal, inovar requer riscos, mas que sejam preferencialmente calculados.

*Marco Stefanini é CEO global da Stefanini.