Aplicações > Cibercrime, Compliance, Finanças

Crimes econômicos entram na mira do rastreador Risk Money Monitor

Ferramenta em software atua diretamente na prevenção à lavagem de dinheiro monitorando atividades suspeitas ou atípicas

19 de Julho de 2017 - 13h14

O bureau reputacional AML Consultin, que atua no mercado de soluções e serviços de prevenção a crimes econômicos, lançou uma nova ferramenta em software que detecta atividades atípicas ou suspeitas mais sensíveis à lavagem de dinheiro e crimes antecedentes: o Risk Money Monitor.

A ferramenta instalada na empresa se integra a diferentes sistemas já em operação, como serviços de crédito e de seguro, e aponta por exemplo o nível de segurança da relação comercial que está ou será estabelecida, fiscalizando toda a cadeia produtiva com foco em preservar reputação das marcas. E acelerando o processo, que manualmente levaria dias, para minutos.

“Todas as movimentações financeiras averiguadas nas diferentes fases da operação Lava Jato somam R$ 8 trilhões e os crimes econômicos, como caixa dois e lavagem de dinheiro, só se efetivaram com a participação de dois ou mais agentes da mesma cadeia produtiva. Desenvolvemos um software completo para que esses crimes sejam identificados e coibidos com mais eficiência nas empresas”, diz Alexandre Botelho, sócio-fundador da AML Consulting.

O software tem regras pré-definidas que incluem regulamentações, entre elas a incompatibilidade financeira. O fluxo de trabalho pode ser customizado, de acordo com o setor de atuação, dos produtos e da estrutura da empresa. O próprio usuário pode criar regras para que o monitoramento de informações seja relevante ao regimento interno e às políticas de compliance e PLD.

Além da integração entre sistemas e da identificação de clientes que constam em listas restritivas nacionais e internacionais, o Risk Money Monitor cria um histórico de ocorrências e, se necessário, comunica automaticamente o órgão responsável.

O produto facilita processos em bancos, corretoras de valores mobiliários, seguradoras, cooperativas de crédito e outras instituições do mercado financeiro que lidam diretamente com quantias altas de dinheiro e precisam minimizar os riscos das transações, sejam eles reputacionais ou operacionais.

Segundo a consultoria, o uso do software também dá ao profissional da área mais eficiência e produtividade, porque lhe permite  focar na análise das informações já com o apontamento de movimentações suspeitas em mãos, sem precisar fazer toda a coleta e organização desses dados. “Esses profissionais serão mais estratégicos ao utilizarem um sistema que foi desenvolvido, testado e homologado por uma equipe que tem experiência em PLD”, diz Botelho.

A AML Consulting atua no mercado de soluções e serviços de prevenção à lavagem de dinheiro e alimenta seus produtos com dados de 20 mil fontes de informações monitoradas e 714 mil perfis cadastrados nas Listas Restritivas Nacionais e Internacionais, PEPs e nos Módulos Socioambiental e de Processos Judiciais.