TI na Prática > Analytics, BI

Copel adota ferramenta de BI self-service da MicroStrategy

Ferramenta aumentou o controle e permitiu uma governança eficaz por parte da equipe de tecnologia da concessionária paranaense

07 de Janeiro de 2016 - 08h45

A Copel (Companhia Paranaense de Energia) evoluiu seu uso de ferramentas de business intelligence da MicroStrategy. A empresa, cliente da provedora há mais de uma década, implementou a solução Self-Service BI (SSBI).

A iniciativa, além de integrar efetivamente a tecnologia aos processos de negócio, quebrou paradigmas e barreiras culturais na empresa, aumentou o controle e permitiu uma governança eficaz por parte da equipe de tecnologia.

Segundo Jeferson Guerber Kindl, da área de TI da concessionária, para chegar até o SSBI, um longo caminho foi percorrido no que diz respeito à adoção de sistemas analíticos dentro da empresa.

“O grande precursor foi o projeto de implantação de um painel estratégico, criado para atender as necessidades da presidência e que permite o acompanhamento dos principais indicadores, com base em dados atualizados diariamente”, define a empresa.

Quando a equipe de TI aproximou-se da área de planejamento estratégico para trabalharem no desenvolvimento deste cockpit para a alta direção, os nossos projetos analíticos atingiram outro patamar.

Até então o elevado volume de informações provenientes das mais diversas áreas da companhia estava consolidado em planilhas eletrônicas e era tratado por uma série de ferramentas e recursos, muitas vezes não homologados pela área de tecnologia.

Com o desenvolvimento do SSBI, todos os dados, que vão desde conteúdos técnicos até importantes processos de gestão da empresa, passaram a ser explorados de maneira muito mais simples.

O carregamento das planilhas é realizado dentro do ambiente de BI pelo próprio usuário, de acordo com sua necessidade. Sem falar que as respostas também são obtidas muito mais rapidamente e com conteúdos mais eficientes e assertivos.

Algumas aplicações, que agilizam e modificam a rotina e ainda proporcionam redução de custos, passaram a ser desenvolvidas internamente por qualquer pessoa sem a dependência de TI.

Um especialista de negócio na área de Inadimplência da Distribuição, por exemplo, criou um novo processo com base no BI, que proporcionou uma economia de recursos significativa.

O tempo de execução de suas tarefas, que incluem o envio diário de resumos relacionados aos índices de inadimplência, cortes no fornecimento de energia, passou de horas para minutos.

O SSBI, nesse caso, além de automatizar e centralizar um processo complexo antes realizado por múltiplas ferramentas tornou a apresentação desses relatórios mais requintada, graças aos dashboards e à plotagem de dados em mapas.

Essa nova aplicação também aumentou a efetividade da estrutura de BI dentro da Copel. “O mais interessante é que este processo geralmente resulta em um projeto novo, seguindo a abordagem tradicional do passado, porém mesmo levando alguns meses para ser concluído, os resultados já estão sendo entregues imediatamente de alguma forma. Isto tudo está sendo o principal fator de alavancagem da ferramenta na organização”, ressalta Kindl.